CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO
CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO

CCR estuda proposta para vender fatia na Sem Parar

A transação tem potencial para movimentar até R$ 4 bilhões se o grupo estrangeiro FleetCor, que seria o principal interessado no negócio, ficar com 100% da Sem Parar

VICTOR AGUIAR E SUZANA INHESTA, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2016 | 02h03

SÃO PAULO - A concessionária CCR confirmou na segunda-feira, 18, que recebeu e está estudando a venda de sua participação na STP, dona da Sem Parar, maior empresa de pagamento eletrônico de pedágios do País. A informação de que a companhia está à venda foi antecipada pelo 'Estado'.

A transação tem potencial para movimentar até R$ 4 bilhões se o grupo estrangeiro FleetCor, que seria o principal interessado no negócio, ficar com 100% da Sem Parar. Segundo apurou a reportagem, as conversas entre as duas empresas já duram alguns meses e agora estão focadas em definir se todos os sócios venderão suas participações ou não.

Analistas de mercado consultados pelo Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado, avaliam que o negócio tem viés positivo para a CCR, que detém uma participação de 34,2372% na STP. Os demais sócios são o empresário Ivan Toledo (com 31,33%); o fundo Capital Group (com 11,41%); a Raízen (joint venture entre Shell e o Grupo Cosan, com 10%); a empresa de tecnologia GSMP (8,34%); e a espanhola Arteris (4,68%).

Em nota, a CCR afirmou que os termos do acordo de acionistas e demais condicionantes serão levados em conta para eventual aceitação da proposta. O negócio também terá que ter prévia aprovação do conselho de administração da empresa. "A CCR está sempre atenta às oportunidades em infraestrutura, dentro da sua estratégia de crescimento qualificado e disciplina de capital, orientada pelas normas vigentes e as boas práticas de governança corporativa", ressaltou.

Em relatório, o Credit Suisse destaca que a operação pode ajudar a CCR a administrar melhor suas amortizações de dívida de R$ 6 bilhões com vencimento em 2016.

 

Tudo o que sabemos sobre:
economianegóciosCCRSem Parar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.