Divulgação
Divulgação

Ceagesp é excluída do Programa Nacional de Desestatização

Maior central de abastecimento do País foi federalizada e vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento em 1997

LUCI RIBEIRO, Estadão Conteúdo

19 de março de 2015 | 11h57

O governo federal retirou a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (Ceagesp) do Programa Nacional de Desestatização (PND). 

A decisão consta de decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 19. O documento é assinado pela presidente Dilma Rousseff e os ministros do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, Agricultura, Kátia Abreu, e Planejamento, Nelson Barbosa.

A principal central de abastecimento de alimentos do País movimenta por dia cerca de 250 mil toneladas de frutas, legumes, verduras, pescados e flores, entre outros produtos importantes para o abastecimento de feiras e mercados.

O entreposto é considerado o terceiro centro de comercialização atacadista de perecíveis do mundo - depois de Paris e Nova York - e o maior da América Latina.

A central, fundada em 1969, ocupa uma área equivalente ao tamanho de 70 campos de futebol. A empresa foi criada com a fusão de duas estatais paulistas, o Centro Estadual de Abastecimento(Ceasa) e a Companhia de Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (Cagesp). 

Em 1977, quando a companhia ampliou o Mercado Livre do Produtor no entreposto da capital paulista, a comercialização atingiu o recorde de 6,2 mil toneladas de produtos vendidos num só dia, superando o maior mercado do mundo, o Paris-Rungis, na França.

No final dos anos 70, a empresa iniciou o processo de descentralização, inaugurando em São José do Rio Preto a primeira unidade de comercialização fora da capital. Atualmente, a companhia mantém onze unidades no interior, próximas a polos de produção e consumo.

Em 1997, a Ceagesp foi federalizada e vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.