Ricardo Moraes / Reuters
Ricardo Moraes / Reuters

Ceasa do Rio recebe apenas 10% dos caminhões; movimento de compradores também cai

Cadeg, na zona norte da cidade, tem 30% do número normal de caminhões

Renata Batista, Estadão Conteúdo

25 Maio 2018 | 13h54

A Ceasa, principal central de abastecimento do Estado do Rio de Janeiro, registrou a entrada de apenas 38 caminhões nesta quinta-feira, 25, 10% da média de cerca de 380. De acordo com a responsável pela divisão técnica da central, Rosana Moreira, o movimento de compradores também diminuiu para cerca de 80% da média diária. Com isso, produtos como a batata, cujos preços subiram após o início da greve dos caminhoneiros, estão encalhando. Os poucos compradores estão se recusando a pagar o valor cobrado, quase quatro vezes mais caro que o praticado na semana passada.

+ AO VIVO: Acompanhe os acontecimentos do quinto dia de greve dos caminhoneiros em tempo real

Segundo Rosana, a maior parte dos caminhões que chegam à Central é do próprio Estado e o cenário não mudou após o anúncio de acordo com os caminhoneiros pelo governo. Dezenas deles permanecem na central, aguardando orientação que chega por grupos de WhatsApp para voltar às estradas. "Não tivemos problema de infraestrutura para atender os caminhoneiros porque o fluxo de compradores diminuiu", explica.

+ Greve de caminhoneiros deixa a cidade de São Paulo em clima de feriado nesta tarde de 6ª feira

Outro importante centro de abastecimento, o Cadeg, que fica na Zona Norte da capital, registrou a entrada de apenas 30% do número médio de caminhões. Desde a quinta, vários distribuidores estão de portas fechadas. A previsão de normalização é de dois dias após o término da paralisação.

'Acionei forças federais de segurança para desbloquear estradas', diz Temer



Dono de uma distribuidora no local, Vinícius Guedes optou por fechar o estabelecimento nesta sexta. Na quinta, os poucos produtos que tinha estavam sendo entregues para restaurantes, que são clientes antigos.

+ Apesar de acordo, Apas não acredita na normalidade dos serviços ainda nesta 6ª feira

De acordo com Guedes, que tem uma frota própria e apoia o movimento, os caminhões também não saíram da garagem por falta de combustível. "Meus caminhões não têm combustível. Tudo isso por causa desses políticos corruptos. Mesmo com esses prejuízos nós estamos a favor desse movimento", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.