CEF ainda tem R$ 3 bi de crédito para 2002

De janeiro a agosto, a Caixa Econômica Federal desembolsou R$ 2,4 bilhões para habitação, equivalentes a 44% dos R$ 5,4 bilhões previstos para 2002. Segundo o presidente do banco, Valdery de Albuquerque, a demora no início da liberação de linhas, como a de imóveis usados e o Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social (PSH), contribuíram para o pequeno volume liberado até agora. Servem de exemplo os recursos sustentados pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Do R$ 1 bilhão disponível, a Caixa já emitiu R$ 870 milhões em cartas de crédito. Contudo, como as cartas têm prazo de até seis meses para serem usadas pelo mutuário, os desembolsos efetivos somam R$ 200 milhões. A linha de crédito do FAT para usados foi aberta em julho, quando foram contratados R$ 12 milhões. Em agosto, o valor subiu para R$ 32 milhões. Segundo Albuquerque, a Caixa pretende aplicar todos os R$ 5,4 bilhões para habitação até dezembro. Do total, as linhas do FGTS receberão R$ 2,532 bilhões; as do FAT, R$ 1 bilhão; as do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), R$ 800 milhões; as baseadas em Letras Hipotecárias e Letras de Crédito Imobiliário, R$ 691,740 milhões; o PSH, R$ 284,572 milhões e as linhas com recursos próprios da Caixa, R$ 102 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.