CEF e BB poderão comprar fatia em bancos privados

O governo autorizou os dois grandes bancos públicos de varejo brasileiros, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, a adquirirem participações em instituições financeiras privadas, incluindo empresas de previdência. Em outra iniciativa para viabilizar a injeção de liquidez em setores com dificuldades, o governo também liberou a CEF para criar uma empresa que atuará como um banco de investimentos, podendo adquirir participação acionária em outras empresas. As medidas foram adotadas por meio de uma medida provisória publicada nesta quarta-feira. Ao detalhar as mudanças, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que elas visam criar novas alternativas de liquidez para o mercado e negou que haja bancos no Brasil sob risco de quebrar. "Não tem banco quebrando", disse Mantega durante entrevista coletiva. "O sistema financeiro brasileiro está sólido, é um dos mais sólidos do mundo. O que nós estamos fazendo é criando um conjunto de alternativas e instrumentos para viabilizar a liquididez necessária para não interromper (o ritmo de atividade da economia)." Segundo Mantega, o governo não determinará ao Banco do Brasil --que tem ações em bolsa-- e à CEF as instituições financeiras que deverão ser adquiridas, e caberá aos bancos em dificuldades tomar a iniciativa de negociar uma possível venda. Às 13h30, as ações do Banco do Brasil tinham queda de 8 por cento, enquanto o índice Bovespa caía 6,3 por cento. A compra das participações nas instituições financeiras pelos bancos públicos poderá ser uma operação temporária, de acordo com o ministro. "Não é uma medida permanente. Depois de restabelecidos o crédito e a liquidez, as instituições poderão ser revendidas no mercado", afirmou Mantega. CONSTRUÇÃO CIVIL O ministro afirmou, ainda, que a autorização para que a CEF atue como banco de investimentos visa especificamente liberar o banco para investir no mercado de construção civil. "O governo tem dado uma importância grande ao setor imobiliário brasileiro", afirmou. "Essa medida vem no sentido de reforçar esse setor para que ele continue tendo esse desempenho que vem tendo nos últimos dois anos. Para isso, a CEF estará habilitada a ter participação acionária nas empresas construtoras." Segundo Mantega, será criada uma entidade CEF-Participações, a exemplo da BNDES-Par, subsidiária do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social que pode ter participação acionária nas empresas. A MP desta quarta-feira também autorizou o Banco Central a realizar trocas de reais por outras moedas com bancos centrais de outros países. O presidente do BC, Henrique Meirelles, afirmou que, na avaliação da autoridade monetária, haveria bancos centrais de países de moeda forte com interesse em realizar essas trocas. "Mas, de novo, é uma faculdade legal. Vai depender em primeiro lugar de haver algum interesse do Brasil, e depois interesse de outra parte", afirmou a jornalistas. (Reportagem adicional de Renato Andrade; Edição de Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.