CEF: mutuário pagará aluguel e depósito

Para quem ganha mais de doze salários mínimos, trocar o valor pago pelo aluguel por prestações da casa própria ficou mais difícil. Com as novas medidas de financiamentos adotadas pela Caixa Econômica Federal (CEF), o interessado em comprar imóvel usado terá de arcar mensalmente com as duas despesas. Para a CEF, essa é uma forma de desenvolver no País a cultura do planejamento para aquisição de imóveis. A modalidade de financiamento para imóveis usados adotada pela CEF é a Poupança de Crédito Imobiliário (PCI), o chamado poupanção. Nela, quem ganha mais de R$ 1.812 terá de fazer uma poupança durante 12 meses, sem atraso nos depósitos.Se o imóvel desejado custar, por exemplo, R$ 45.391,00, o interessado terá de fazer depósitos mensais de R$ 643,04. No final do período de um ano, terá sua carta de crédito liberada, no valor estipulado, para a compra do imóvel. Vale lembrar que o montante economizado nos 12 meses, só poderá ser usado depois do 36º mês, para amortizar a dívida ou quitar as prestações. A taxa de juros do financiamento é de 12% ao ano mais TR.A outra alternativa para quem quer comprar o imóvel próprio é a carta de crédito para os empreendimentos residenciais que estão sendo vendidos na planta. Nessa modalidade, os valores das prestações são definidos de acordo com valor do imóvel, tempo de financiamento e renda do pretendente. O valor da prestação não pode ultrapassar 30% do salário.Analistas não acreditam no sucesso do poupanção"É um absurdo. As famílias não têm condições de ficar fazendo poupança ou pagando financiamentos junto com o aluguel", reclama o empresário Roberto Capuano, membro do conselho de diretoria do Creci. Segundo a economista Ilona Beer, da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança, (Abecip), o sistema de financiamento poupanção tem similares em países como Alemanha e França. "Nestes países, os sistemas fazem parte da cultura de concessão de crédito imobiliário, mas aqui no Brasil essa modalidade, que já foi testada, não teve muito sucesso", comenta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.