CEF quer negociar fundo imobiliário na Soma

O fundo imobiliário a ser lançado pela Caixa Econômica Federal (CEF) poderá ser negociado na Sociedade Operadora do Mercado de Ativos (Soma). A negociação entre a instituição e a Soma já está em andamento e, segundo o vice-presidente de administração de ativos de terceiros, Wilson Risolia, a finalização desse processo depende basicamente de um acordo sobre os custos da operação. "Não queremos transferir esses custos para o cotista, mas não podemos dispensar a possibilidade de oferecer o produto em um mercado secundário estruturado e com volume de negócios relevante para esse produto", afirma.O produto deverá ser apresentado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no início da próxima semana e a expectativa do vice-presidente da CEF é que o fundo imobiliário esteja disponível para venda nas agências da instituição na primeira quinzena de novembro. "Em 15 dias, acredito que todas as cotas do fundo estarão vendidas", diz o executivo.Características do fundo imobiliário CEFA carteira do fundo imobiliário da CEF será formada por um imóvel da instituição. Trata-se de um prédio localizado no centro do Rio de Janeiro, na esquina da rua Almirante Barroso com a Avenida Rio Branco. Caso a operação seja aprovada para a CVM, a Caixa deverá transferir a propriedade do prédio para o fundo e o ganho dessa carteira será dado pelo valor apurado com o aluguel do prédio. O imóvel será alugado pela própria instituição com um contrato de locação garantido por dez anos e renovável a cada cinco. Segundo Risolia, a projeção de rendimento é de 6% ao ano mais a correção pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M).As cotas terão valor de R$ 1 mil e esta será também a aplicação mínima. O vice-presidente da Caixa informa que a instituição vai estabelecer um teto para o investimento, que deve ficar em R$ 1 milhão. Dessa forma, pretende-se impedir a concentração de grande parte da carteira nas mãos de poucos cotistas. Risolia informa que a administração da carteira não será feita pela CEF. "Por ser uma instituição pública, a Caixa não vai administrar os recursos. O objetivo é priorizar a transparência. O processo de escolha ainda não foi finalizado e a taxa de administração anual deve ficar entre 1,5% e 3% do patrimônio", destaca o vice-presidente da instituição. Outra característica do fundo é a garantia de recompra das cotas pela Caixa durante um ano. Ele informa que apenas os clientes da Caixa poderão comprar cotas do fundo imobiliário. Para aqueles que não forem, a opção será a abertura de uma conta investimento e a instituição ainda estuda como ficarão as tarifas para essa conta.Plano de reestruturação patrimonialA operação de venda de cotas do fundo imobiliário faz parte do plano de reestruturação patrimonial da Caixa para adequação a uma determinação do BC. Por essa regra, até dezembro, os bancos devem reduzir de 60% para 50% a porcentagem de imóveis nos ativos da instituição. O valor do prédio que compõe a carteira do fundo imobiliário da CEF gira em torno de R$ 100 milhões. Ao todo, a CEF deve reduzir em aproximadamente R$ 500 milhões os seus ativos em imóveis. Segundo Risolia, os R$ 400 milhões restantes referem-se às agências da Caixa que vêm sendo leiloadas.Veja mais informações sobre os fundos imobiliários nos links abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.