CEF quer recursos para financiar imóveis para classe média

Acabou o dinheiro que a Caixa Econômica Federal tinha para financiar imóveis novos e usados para a classe média. Para poder retomar as operações, a instituição está pleiteando um remanejamento de recursos dentro da linha já existente do FAT/Habitação junto ao Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat).O Codefat se reúne no próximo dia 10 de julho e também analisará outro pedido da Caixa, desta vez para a revitalização de centros urbanos. O presidente do Codefat, Canindé Pegado, disse que o Conselho estuda liberar cerca de R$ 200 milhões para o financiamento de imóveis novos e usados para a classe média. O FAT/Habitação foi aprovado no final de 2001 e disponibilizou, durante o ano passado, R$ 1 bilhão para a Caixa usar no financiamento residencial para a classe média. No momento, a Caixa só está operando com a linha de imóvel na planta. Os recursos para as demais acabou. O presidente do Codefat disse que a necessidade de habitação urbana no País é estimada em 5,5 milhões. O déficit está concentrado na faixa de renda mais baixa, de famílias que ganham até três salários mínimos por mês. O recurso do FAT é mais caro que o operado pela Caixa tendo como lastro o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. Isso porque, com o dinheiro do FAT, a Caixa é obrigada a cobrar sempre um spread (diferença) acima da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), uma vez que tem que remunerar o recurso para devolver o dinheiro ao fundo. Já no FGTS, dependendo da faixa de renda a ser atendida, existe um subsídio destinado a viabilizar a aquisição da casa própria por quem tem pouca renda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.