CEF tem novas formas de financiamento para casa própria

A Caixa Econômica Federal (CEF) pretende anunciar ainda no primeiro trimestre deste ano o lançamento de programas auxiliares às linhas de financiamento para a aquisição da casa própria: a poupança programada, o consórcio imobiliário e títulos de capitalização com sorteio mobiliário. O presidente da CEF, Emílio Carazzai, disse hoje no Bom Dia Brasil, da TV Globo, que o maior equívoco com relação aos problemas habitacionais no Brasil foi a insistência no crédito. "O crédito é útil, é importante, para as famílias que têm capacidade de pagamento", disse Carazzai. Por conta disso, afirmou, nos últimos 50 anos houve um déficit habitacional de 84,2% (cerca de 5 milhões e 400 mil moradias), nas faixas até três salários mínimos. "Para essa população não adianta insistir com crédito. Nós precisamos de recursos dos orçamentos fiscais dos três níveis de governo e subsídios explícitos. Não pode ser um crédito financeiro convencional", disse Carazzai. Segundo ele, o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) foi uma fonte de crédito importante que chegou a financiar, em determinado momento, 500 mil unidades. Hoje, em decorrência do desestímulo provocado pela baixa remuneração da poupança, o SBPE financia apenas 50 mil. Com isso, lembrou, o sistema ficou dependente dos recursos do FGTS e de recursos próprios da CEF. "Nos últimos anos a Caixa foi responsável por mais de 90% dos novos financiamentos", afirmou Carazzai. Só em 2000, a CEF realizou financiamento recorde de R$ 7,2 bilhões para 408 mil unidades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.