CEF terá R$ 2 bi da poupança para financiamento imobiliário

A Caixa Econômica Federal (CEF) começa a operar no dia 28 deste mês uma linha de financiamento imobiliário com recursos da caderneta de poupança, cuja disponibilidade será de R$ 2 bilhões até dezembro de 2006. A instituição retomou a utilização de recursos da poupança para essa finalidade após permanecer 13 anos sobreaplicada. Conforme a CEF, o novo produto seguirá os moldes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) e será voltado à classe média. A linha, de acordo com a CEF, atenderá preferencialmente famílias com renda superior a R$ 4,9 mil, que pretendem comprar imóveis com valor de avaliação acima do estabelecido para o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). As taxas variam de 10% ao ano, para unidades avaliadas em até R$ 130 mil, a 12% ao ano, para imóveis com valor de R$ 130 mil a R$ 350 mil. A cota máxima de financiamento é de 80% do valor do imóvel, com limite, portanto, de R$ 245 mil. A CEF informa que vai oferecer ainda uma linha de crédito para financiamento de imóveis comerciais para pessoa física, com taxa de juros de 15% ao ano, cota de financiamento de até 60% e prazo de amortização de até 120 meses. Até o início de novembro, a instituição emprestou R$ 5,9 bilhões para a habitação, superando assim o volume concedido em todo o ano passado (R$ 5,8 bilhões). Em unidades, foram financiados até aquela data 310.975 imóveis. No período, segundo a CEF, o principal destaque é a expansão das contratações com recursos próprios, que até o dia 11 somavam R$ 1,052 bilhão (ante R$ 453 milhões em todo o ano passado). O Construcard também superou em novembro todo o valor contratado em 2004: R$ 579 milhões ante R$ 513 milhões. O mesmo ocorreu na principal modalidade de crédito com recursos do FGTS, a Carta de Crédito Individual. O valor contratado em 2005 já é 43% superior ao realizado em 2004.

Agencia Estado,

16 Novembro 2005 | 15h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.