CEF vai lançar consórcio para compra de imóvel

A Caixa Econômica Federal deve entrar no setor de consórcios no segundo semestre do ano com a marca de sua seguradora, a Caixa Seguros. Essa foi a solução encontrada pela instituição para não ter de submeter ao Congresso Nacional projeto de lei solicitando autorização para constituir uma empresa específica para o seu consórcio. O presidente da Caixa, Valdery Albuquerque, argumentou que a tramitação de um projeto de lei iria custar mais alguns meses de atraso no projeto. "Já acertamos com nosso sócio na Caixa Seguros, mas precisamos de prévia aprovação do Banco Central e da Superintendência de Seguros Privados (Susesp) para tocarmos o negócio", disse Albuquerque. Será mais uma opção para a compra da casa própria em parcelas que o adquirente de imóveis vai ter. Albuquerque conta com a marca da Caixa para entrar e logo ficar com uma fatia desse mercado, destinado à classe média. Os estudos do banco demonstram que a prestação é atraente - inferior à de um financiamento habitacional para o mesmo valor de crédito pretendido -, o prazo pode ser livremente pactuado e existe maior facilidade para reaver o imóvel, no caso de inadimplência do consorciado, já que não se trata de um crédito. A idéia de lançar um consórcio nasceu no ano passado, depois que a instituição fechou a linha de financiamento para imóveis usados. Para ter o consórcio, a Caixa pensava em simplesmente separar esta operação das demais no seu balanço. O BC não concordou e a opção passou a ser a constituição de uma empresa específica, com razão social e capital próprio. Com o CasaCap, o título de capitalização lançado pela Caixa voltado para a aquisição da moradia, o consórcio será também a opção para a compra de um imóvel usado. A Caixa não está mais financiando imóvel usado para a classe média e todas as linhas em operação são voltadas para a compra de imóvel novo ou em construção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.