Cegonheiros decidem encerrar greve

Os cegonheiros decidiram hoje encerrar a greve da categoria que já durava 10 dias. Eles se reuniram em assembléia na sede do sindicato, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista.A paralisação era contra uma ação do Ministério Público (MP) Federal no Rio Grande do Sul, que considerou que houve formação de cartel nos acordos para transportes de veículos entre a General Motors (GM) de Gravataí (RS) e a Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV), além do Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sindicam). De acordo com o sindicato, a GM contrata os serviços somente das empresas e cegonheiros filiados, respectivamente, à ANTV e ao Sindicam. A ação do MP obrigaria a montadora a destinar 10% dos contratos aos não-filiados às duas entidades. A conseqüência, defende o sindicato, seria a perda de emprego de 120 cegonheiros (10% da categoria). Os cegonheiros discutiram hoje liminar expedida pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), que anula outra, que determinava a abertura dos contratos feitos pela GM. A decisão final do STJ sairá apenas na semana que vem, mas o Sindicam decidiu suspender a greve até lá. Caso o STJ mantenha a destinação de contratos aos não-filiados, o Sindicam poderá retomar a greve.O Sindicam calcula que 21.000 veículos da GM deixaram de ser transportados para as concessionárias desde o início da greve, no último dia 19. Ontem, cerca de 700 cegonheiros realizaram uma carreta no sistema de rodovias Anchieta-Imigrantes, que liga a capital paulista à Baixada Santista. As informações são da Agência Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.