seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Imagem Fábio Alves
Colunista
Fábio Alves
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Cegueira aos riscos

Índice de Volatilidade, conhecido como 'índice do medo',calculado pela bolsa americana que negocia contratos de opções, voltou a cair

Fábio Alves, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2017 | 05h00

No dia em que um novo escândalo político envolvendo Donald Trump espalhou-se pela imprensa e mostrou-se como uma das mais sérias ameaças ao presidente americano, o índice de ações S&P 500 bateu recorde histórico no fechamento do pregão da segunda-feira ao atingir 2.402,32 pontos.

E isso não é tudo: o Índice de Volatilidade (VIX, na sigla em inglês) calculado pela CBOE, a bolsa americana que negocia contratos de opções, voltou a cair. Mais conhecido como “índice do medo”, o VIX mede a aposta dos investidores em relação a uma potencial queda forte do mercado acionário, no caso o índice S&P 500, que lhe dá lastro. Estariam os investidores no mundo inteiro, incluindo os brasileiros, anestesiados por uma cegueira aos riscos econômicos e políticos que podem deflagrar uma maciça correção nos preços mais à frente?

No último dia 8, após a vitória de Emmanuel Macron à presidência da França, o VIX caiu para o menor nível em 24 anos ao fechar em 9,71. Na segunda-feira, dia 15, quando o jornal The Washington Post revelou que Trump teria divulgado informações altamente confidenciais para o ministro das relações exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, sobre um ataque terrorista planejado pelo Estado Islâmico, o VIX fechou em 10,42. Ou seja, os investidores na bolsa americana nem sequer demonstram qualquer ansiedade que esse novo escândalo político ameace o mandato de Trump.

É bom lembrar que, depois de uma primeira tentativa frustrada, Trump conseguiu aprovar seu projeto para a área de saúde, substituindo o programa adotado por Barack Obama pela apertadíssima margem de um único voto a mais do que o necessário na Câmara dos Deputados, apesar de os republicanos deterem larga maioria na Casa. E o texto aprovado deve provavelmente sofrer pesadas modificações no Senado americano, também dominado pelo partido de Trump.

Ao passar a maior parte do tempo se defendendo de escândalos políticos, como o da demissão do diretor do FBI (a polícia federal), James Comey, o presidente americano parece ter cada vez menos capital político para aprovar as suas promessas de campanha para estimular o crescimento da economia dos Estados Unidos. Mas nada disso está sendo levado em conta nos preços das ações e de outros ativos, como o dólar.

Na China, por exemplo, os indicadores de produção industrial e vendas no varejo para o mês de abril vieram mais fracos do que esperado e apontam para uma perda de fôlego da atividade econômica. Apesar disso, as bolsas chinesas fecharam em alta na segunda-feira, assim como várias commodities. Tampouco o termômetro do medo do mercado vem reagindo às crescentes tensões geopolíticas mundiais.

A cegueira aos riscos vem contaminando os mercados emergentes, em particular o Brasil. Os ativos emergentes, como as moedas e as bolsas, sofrem influência do comportamento do VIX. E como o índice do medo está próximo dos níveis recordes de baixa, os investidores tendem a ser mais lenientes com os fundamentos das economias emergentes.

No Brasil, o dólar fechou na segunda-feira a R$ 3,10, menor nível em um mês, enquanto a Bovespa terminou o dia a 68.474,18 pontos, maior patamar desde 22 de fevereiro. Os investidores estão unicamente focados na perspectiva de corte agressivo da taxa Selic pelo Banco Central.

Já há analistas prevendo que o BC vai reduzir os juros básicos da economia até 7,00% (hoje estão em 11,25%) ao final do ciclo de afrouxamento monetário. Poucos são aqueles preocupados com o fato de que o desempenho fiscal no curto prazo do governo Michel Temer é fraco, a promessa de ajuste das contas públicas no médio e longo prazos (via reforma da Previdência) é diluída a cada dia que passa nas negociações no Congresso e que a desaceleração da inflação contou com fatores favoráveis extraordinários (como o clima) e com a brutal recessão que asfixiou a demanda.

Se a conta dessa fatura (com inflação em alta e risco de elevar os juros novamente) ficar para 2019 e para o próximo presidente da República, ninguém no mercado, por enquanto, demonstra ansiedade. Mas enquanto a cegueira aos riscos não se restringir apenas ao Brasil, quem se importa?

*é colunista do Broadcast

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.