finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ceia de Natal será até 10% mais cara

O Natal de 2001 terá uma mesa farta de produtos nacionais e escassez de importados por conta do dólar caro. A indústria de alimentos, otimista, já se prepara para as negociações com o varejo prevendo reajuste de preços. Peru, pernil, tender, chester e panetone podem chegar ao consumidor custando até 10% a mais do que no ano passado.Operando a todo vapor, a Perdigão projeta um aumento nas vendas dos produtos natalinos da ordem de 10%. Os preços, segundo cálculos de Nildemar Secches, presidente da empresa, também devem beirar o mesmo índice, não ficando muito acima da inflação do ano.Omar Assaf, presidente da Associação Paulista de Supemercados (Apas), acha que o aumento de 10% programado pela indústria irá ocorrer em razão da substituição dos importados e não pelo aquecimento do mercado. "A alta do dólar desbancou os importados", ressalta.As empresas importadoras de alimentos e bebidas estão se preparando para um Natal mais magro. Com a alta do dólar - a valorização acumulada no ano atinge quase 40%-, alguns produtos ficaram com preços proibitivos e forçaram as empresas a rever suas estratégias. O diretor comercial da La Pastina, Celso Fernandes, espera uma redução de vendas de 20% no Natal deste ano em relação ao ano passado. Em volume físico, a queda deve ser um pouco menor, de 10%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.