Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Celesc levará clientes inadimplentes ao SPC

A Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) está fechando o cerco aos clientes inadimplentes. A partir de hoje, o cliente pessoa jurídica que voltar a atrasar o pagamento do fornecimento de energia, depois de ter renegociado os seus débitos junto à companhia, terá o seu nome incluído no cadastro do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).A iniciativa faz parte da estratégia da estatal para reduzir a inadimplência de seus clientes, que atualmente soma R$ 314 milhões. "Buscamos nos adequar ao tratamento regulatório dado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que permite o repasse para as tarifas de uma inadimplência de até 0,5% das contas a receber", disse o diretor Econômico-Financeiro da Celesc, Osvaldo Mendes. Segundo ele, a inadimplência na área de concessão da Celesc chega, atualmente, a 1,2% das contas a receber.A medida será aplicada somente para os casos de consumidores que já tenham renegociado seus débitos junto às concessionárias e não estejam pagando as parcelas acordadas, explica a Celesc. Segundo estimativas da concessionária, poderão ser incluídos no SPC 71 mil consumidores inadimplentes, cujos débitos somam R$ 32 milhões.A empresa informou que encaminhará ao SPC as pessoas físicas que atrasarem em mais de cinco dias o pagamento das parcelas. Esses clientes receberão, então, uma notificação do SPC informando que terão um prazo de 10 dias para regularizar sua situação.Medidas para reduzir inadimplênciaEsta é mais uma das ações da Celesc com o objetivo de reduzir a inadimplência. A concessionária já havia viabilizado a terceirização da cobrança após 90 dias de atraso, a negociação de dívidas de órgãos públicos e o incentivo ao débito em conta corrente.Segundo a empresa, o próximo passo poderá ser firmar convênio com o Serasa para a inclusão, nesse cadastro de inadimplentes, de pessoas jurídicas que voltaram a atrasar o pagamento, após terem renegociado débitos em atraso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.