Celso Amorim diz que OMC chegou a acordo sobre bananas

Porta-voz da Comissão Européia, entretanto, diz que houve apenas 'progesso substancial' nas negociações

Efe e Reuters

27 de julho de 2008 | 18h12

Brasil e Costa Rica anunciaram neste domingo, 27, que a histórica disputa comercial entre UE e América Latina por causa da banana terminou, pois os dois blocos alcançaram um acordo para reduzir a tarifa européia aplicada às compras importações latino-americanas desta fruta.   Veja também: China dá passo atrás na abertura de mercados agrícolas Rodada Doha: entenda o que está em jogo em Genebra Entenda a crise dos alimentos    O ministro das Relações Exteriores brasileiro, Celso Amorim, anunciou esta noite que a disputa sobre a banana terminou, em declarações aos jornalistas na saída da reunião que realizam cerca de 30 ministros da Organização Mundial do Comércio (OMC) para desbloquearem a Rodada de Doha sobre a liberalização do comércio mundial.   Amorim afirmou que se trata de "um acordo histórico" que permitirá avançar no conjunto das negociações de Doha. "Foi um bom acerto, pois todas as partes estiveram de acordo", declarou. Mas um porta-voz da Comissão Européia, que está no centro da disputa da banana, afirmou que as negociações não foram concluídas. "Há um substancial progresso em matéria de banana".   Segundo outras fontes diplomáticas que estavam na sala e que pediram o anonimato, a "Costa Rica anunciou (na reunião de ministros) que havia um acordo (entre UE e os países da América Latina) e ninguém desmentiu isto".   Segundo a proposta, que permitiu a aproximação da UE e da América Latina nas últimas horas, a tarifa que agora taxa a entrada da banana no mercado europeu (176 euros por tonelada) será reduzida a partir de 2009 para 148 euros e a cada ano irá diminuir até ficar em 114 euros em 2016.   Por outro lado, o embaixador da Costa Rica na OMC e coordenador do grupo sobre "produtos tropicais" (que inclui a banana), Ronald Saborío, declarou que "foi resolvida" a disputa entre UE e América Latina que já "dura cerca de 16 anos".   Disse que o acordo "está fechado" e que o conflito sobre a importação européia da banana está resolvido, "seja dentro ou fora da Rodada de Doha".   Separadamente, a representante da UE em agricultura, Mariann Fischer Boel, disse que as questões relativas ao algodão precisavam ser resolvida de modo a libertar as negociações.   Atualizado às 20h40

Tudo o que sabemos sobre:
DohaOMCBananascrise nos alimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.