Celular de luxo cria mercado bilionário para a Nokia

Você quer um novo telefone? Há um novo modelo que custa 18.000.E você se achou um gastador quanto torrou algumas centenas de euros no iPhone da Apple ou no celular LG Prada no fim de ano.Para os muito ricos, um telefone de ponta significa uma coisa inteiramente diferente. Eles estão comprando milhares de aparelhos equipados com ouro, pedras preciosas e outras extravagâncias.O principal fornecedor desse tipo de aparelho celular é a Vertu. Essa subsidiária da fabricante de celulares Nokia fabrica aparelhos custando entre US$ 6.500 e US$ 72.500. Até os modelos mais baratos trazem materiais finos, como couro italiano e ouro de 18 quilates, enquanto os aparelhos de topo de linha são cobertos por centenas de diamantes e outras pedras preciosas. Todo telefone tem acesso a um serviço de concierge que pode ajudá-lo a, digamos, acionar um jato privado para as Bahamas.O mercado para esses produtos de luxo é maior do que você possa imaginar. A controladora da Vertu, a Nokia, não divulga os números de venda, mas Neil Mawtson, diretor associado da empresa de consultoria da British Telecom, Strategy Analytics, afirma que a Vertu vende cerca de 200.000 aparelhos por ano a um custo de US$ 8 mil cada um. Esses números levam a vendas totais de US$ 1,6 bilhão, cerca de 3% do faturamento anual da Nokia, de US$ 58 bilhões. E, diz Mawtson, "a Vertu é a versão da Nokia da Ferrari. Ela cria um sentimento de luxo para o resto de sua linha de telefones."O presidente da Vertu, Alberto Torres, diz que as vendas cresceram 120% em 2007. Ela segue um crescimento de 140% em 2006, puxado por vendas na Rússia, China e no Oriente Médio. "Do que nós vimos, a criação de um mercado multibilionário em telefones de luxo nos próximos anos é bem possível", diz Torres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.