Celulares e tablets no foco da Microsoft

Empresa trabalha com fabricantes como Dell e Acer para colocar no mercado produtos que usem o Windows

REUTERS, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2010 | 00h00

A Microsoft delineou suas ambições de dominar o mercado de bens eletrônicos de consumo com tablets e celulares inteligentes com Windows projetados para conter os avanços da Apple e do Google.

Os novos computadores tablet estarão disponíveis assim que puderem ser distribuídos, e os novos celulares estarão no mercado até o final deste ano, disse o presidente executivo da Microsoft, Steve Ballmer. O executivo definiu com isso um teste crucial para a capacidade da Microsoft de conquistar as atenções dos consumidores mais experientes no uso de tecnologia.

"Vamos agir com toda força", disse Ballmer durante a apresentação anual da companhia a analistas. "Vamos vender como loucos e vamos promover esses produtos como loucos."

A Microsoft está irritada por a Apple ter vendido mais de 3 milhões de iPads desde o lançamento do aparelho, em abril, e está trabalhando com fabricantes de computadores como Acer, Dell, Toshiba e outras marcas para desenvolver produtos semelhantes acionados pelo Windows.

"Temos de batalhar ao máximo agora com nossos parceiros de hardware", disse Ballmer. "Os novos aparelhos chegarão ao mercado assim que estiverem prontos. É a maior e mais urgente prioridade aqui. Ninguém vai dormir no ponto."

Parceria. Os novos tablets serão acionados por chips Intel, disse Ballmer, o que serviu para negar os rumores quanto a um recente acordo de sua empresa com a ARM Holdings, empresa britânica de projeto de chips, no sentido de adotar a arquitetura que ela desenvolveu e que é usada no iPad e na maioria dos celulares inteligentes.

Uma nova linha de chips da Intel que deve sair no começo de 2011 dará ao mercado de tablets um grande impulso no ano que vem, disse Ballmer.

Funcionários da empresa exibiram novos celulares equipados com o Windows Phone 7 e fabricados por Samsung e LG, mas não permitiram que os aparelhos, ainda em estágio de protótipos, fossem fotografados.

Os aparelhos têm telas grandes sensíveis ao toque, incorporam o player de música Zune, programas de e-mail e são capazes de se conectar a conteúdo disponível no Xbox Live, Facebook e outras redes.

Ballmer reconheceu que a Microsoft perdeu terreno no segmento de telefonia.

"É provavelmente justo dizer que temos muito trabalho a fazer", afirmou o executivo. "Não vai acontecer tudo em uma noite."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.