Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Celulares passam do 138º para o 7º lugar em vendas internas

O item telefones celulares já é o sétimo produto em volume de vendas no País, com R$ 7,5 bilhões em 2002, segundo divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 1998, esse item ocupava o 138º lugar nas vendas internas dos produtos pesquisados. "Além da expansão da demanda interna, deve-se ressaltar a importância crescente desse item nas exportações, onde, em 2002, foi o 10º no ranking", ressaltou o Instituto. Em 1998, os telefones celulares estavam no 86º lugar nas exportações.Os dados são parte da Pesquisa Industrial Anual - Produto referente a 2002, que incluiu 14.400 empresas, que registraram um total de vendas de aproximadamente R$ 601 bilhões, num conjunto de 3.300 produtos investigados. Esse total, segundo o IBGE, representa 75% das vendas de toda a indústria brasileira. Ainda segundo a pesquisa, o óleo diesel foi o produto que registrou maior volume de vendas, em valor, em 2002.Apenas cinco produtos representaram 21,2% das vendas dos 100 principais produtos industriais. Os demais quatro produtos, além do óleo diesel, foram automóveis de até 1000 cilindradas (R$ 13,3 bilhões), automóveis de 1500 a 3000 cilindradas (R$ 13,0 bilhões), minérios de ferro beneficiados (R$ 10,5 bilhões) e gasolina (R$ 10,0 bilhões).Principais atividades em volume de vendasA pesquisa revelou também que, em 2002, as dez principais atividades em volume de vendas, que respondem por 75% das vendas, permaneceram as mesmas desde 1998, primeiro ano de apuração da pesquisa, embora as participações tenham se alterado no período.Segundo o documento de divulgação da pesquisa, o valor de venda dos produtos indica que alimentos e bebidas e produtos químicos são as atividades que mais se destacam no total das vendas, respondendo, respectivamente, por 16,2% e 13,2% do total em 2002.No grupo das principais atividades, houve destaque de refino de petróleo e álcool, que passou de uma participação de 6,0% em 1998, para 9,3% em 2002. No mesmo período, a participação de veículos automotores caiu de 10,9% para 9,8%. SetoresA pesquisa apontou que os sete setores industriais que lideraram os investimentos responderam por 72% do total em 1996 e por 73% em 2002. Em 2002, segundo a pesquisa, os investimentos industriais chegaram a R$ 50 bilhões e os setores líderes foram: refino de petróleo e álcool (18%); alimentos e bebidas (13,8%); montagem de veículos automotores (9,6%); produtos químicos (9,6%); celulose e papel (8,6%); metalurgia básica (7,2%); e extração de minerais metálicos (6,4%).De acordo com o IBGE, em 2002 as cerca de 36 mil empresas industriais que informaram ter investido gastaram em torno de R$ 50 bilhões com investimentos, enquanto em 1996, o gasto informado por 33 mil empresas chegava a R$ 26 bilhões.

Agencia Estado,

30 de junho de 2004 | 11h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.