Cemig busca novas aquisições na área de distribuição

Segundo executivo, interesse se concentra em ativos que tenham sinergia com as operações atuais da companhia

LUCIANA COLLET, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2012 | 03h09

A Cemig está buscando oportunidades de aquisição na distribuição de energia, afirmou ontem o diretor de finanças e relações com investidores da companhia, Luiz Fernando Rolla. "Entendemos que há espaço para crescimento", disse ele, durante teleconferência com analistas e investidores.

Segundo o executivo, o interesse se concentra principalmente em ativos que tenham sinergia com as operações atuais da companhia, que atua em Minas Gerais e no Rio de Janeiro, por meio de sua controlada Light. "Distribuição é escala. Se não tiver escala, não se consegue entregar a performance exigida pelo regulador", justificou.

Apesar da disposição em expandir a distribuição, Rolla também comentou que a companhia tem procurado concentrar boa parte do fluxo de caixa nos segmentos de geração e transmissão, por terem mais previsibilidade, tendo em vista os contratos de longo prazo que são assinados nesses segmentos. "Na distribuição, a volatilidade é um pouco maior em função da regulação a que o segmento está sujeito", justificou.

Por isso, o executivo garantiu que a Cemig segue com intenção de crescer por meio de aquisições também nos segmentos de geração e transmissão, onde tem sido mais atuante como consolidador ao longo dos últimos anos. Além disso, Rolla destacou a intenção de investimento em novos projetos, citando particularmente os futuros leilões do Complexo Tapajós, que prevê capacidade instalada de 10,682 mil MW.

Belo Monte. O diretor presidente da Cemig, Djalma Bastos de Morais, afirmou ontem que 10% das obras de Belo Monte já estão prontas e que atualmente a companhia, junto com os demais acionistas da hidrelétrica, está procurando resolver os problemas enfrentados recentemente.

"Em Belo Monte estamos com alguns problemas, mas problemas sempre existiram e vão existir, o que precisamos é superá-los. Foi isso que fizemos com (a usina) Santo Antonio, é isso que estamos procurando fazer", disse, durante teleconferência com analistas e investidores.

Na última segunda-feira, a 5ª Turma do Tribunal Regional Federal 1ª Região (TRF1) determinou a paralisação imediata das obras, sob pena de multa diária de R$ 500 mil, até que se cumpram as determinações da Constituição e da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que determina audiências prévias com as comunidades indígenas da região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.