Cemig prevê até 5% de redução de demanda com horário de verão

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) espera obter, durante a vigência do horário de verão, uma redução de 3% a 5% na demanda por energia no período de pico de consumo (entre 18 e 22 horas) em sua área de concessão. De acordo com a empresa, a economia no consumo geral a ser proporcionada pelo horário de verão deverá ser de 0,5% a 0,8%.A redução da demanda a ser obtida no horário de pico de consumo é estimada pela Cemig em 258 megawatts (MW), o equivalente à capacidade de geração duas usinas do porte de Irapé, que tem 131 MW de potência instalada. Considerando-se a redução global do consumo, a expectativa é a de que será equivalente à energia necessária para abastecer os municípios de Sete Lagoas e Divinópolis juntos.Horário de verãoO horário de verão terá início à zero hora de 2 de novembro de 2004 e término à zero hora do dia 20 de fevereiro de 2005, devendo ser adotado nos Estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País. A expectativa é de uma redução de 5,2% na demanda por energia elétrica no horário de maior utilização e de 0,5% no consumo nas áreas que adotarem o horário de verão.Essa será a 31ª edição do horário de verão no País. A economia proporcionada por essa prática, que consiste no adiantamento dos relógios em uma hora, se deve ao deslocamento de cargas no horário de pico de consumo, com um maior aproveitamento da iluminação natural. Evita-se, com a prática, uma grande concentração da demanda de chuveiros elétricos e iluminação pública no horário de maior consumo de eletricidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.