Cemig vai ampliar plano de cortes de custos

O presidente da Cemig, Djalma Bastos de Moraes, indicou ontem que a companhia está preparando uma expansão do plano de redução dos custos. Durante teleconferência com analistas financeiros, ele disse que a companhia já estava realizando um programa de redução de custos, buscando se adequar à revisão tarifaria pela qual passará em 2013. "Após a MP (579, que trata da renovação das concessões elétricas) temos que ir além", comentou, citando que a Eletrobrás e sua subsidiária Furnas já anunciaram planos de cortes de custo.

LUCIANA COLLET , O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2012 | 02h06

"Temos que nos adequar à nova realidade, seja revisão tarifaria, seja os novos objetivos definidos na MP 579, temos que nos adequar e isso tem que ocorrer no curto prazo", disse Moraes, sem citar em que prazo a extensão do corte de custos deve ocorrer. Ele destacou, porém, que a Cemig terá que se adequar independentemente de a companhia aceitar, ou não, a proposta de prorrogação das concessões. "Temos que nos adequar em qualquer cenário, seja aderindo, seja não aderindo, teremos que nos adequar de maneira forte."

Maior agressividade. Para Moraes, a Cemig vai continuar investindo, mas precisa ser mais agressiva em aquisições do que foi até agora. "Se por um lado podemos ter problemas (relacionados à renovação das concessões), por outro vamos seguir investindo, vamos participar de aquisições, vamos participar de leilões", disse.

O executivo destacou que a companhia segue focada em "viabilizar ativos que possam agregar valor para a empresa", e citou recentes casos de sucesso de aquisição, como Light e Taesa. Moraes afirmou ainda que a companhia pretende participar dos próximos leilões, tanto de empreendimentos de geração como de projetos de transmissão.

O diretor financeiro e de relações com investidores da Cemig, Luiz Fernando Rolla, disse que a companhia está buscando o alongamento do perfil da dívida e a redução de seus custos. "Grande parte da dívida de 2012 já foi rolada e vamos buscar o alongamento do perfil."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.