Mike Segar/Reuters
Mike Segar/Reuters

coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Cenário-base para Brasil prevê certa continuidade da agenda de reformas, diz Moody's

A perspectiva estável para o rating do País está sujeita à 'claridade sobre a direção da política econômica'

Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2018 | 15h20

A vice-presidente e analista sênior da Moody's, Samar Maziad, disse nesta terça-feira, 25 que o cenário-base da agência de classificação de risco para o Brasil é "um certo grau de continuidade da agenda de reformas econômicas" para o próximo presidente, que inclui o ajuste fiscal, particularmente nesse campo a reforma da Previdência. A expectativa é de que esta medida avance e seja aprovada pelo novo governo, disse ela a jornalistas, sem especificar uma data.  

A perspectiva "estável" para o rating do Brasil está sujeita à "claridade sobre a direção da política econômica", a habilidade do próximo presidente trabalhar com Congresso e o comprometimento com o ajuste fiscal e resolver a rigidez do Orçamento, disse Samar.

Para o Brasil mudar para a perspectiva "positiva", Samar disse que as coisas terão que sair melhores que o esperado agora. Por exemplo, com um ajuste fiscal mais rápido do que o previsto e o Produto Interno Bruto (PIB) se acelerando para a casa dos 2% a 3% ao ano. "Não acho que isso é iminente", afirmou durante evento.

 

Em sua apresentação durante evento da Moody's com investidores, Samar disse que o PIB brasileiro vem continuamente decepcionando as previsões. Para 2018 inicialmente se previa expansão perto de 3% do PIB, mas o número deve ficar agora na casa de 1,5% este ano e de 2% em 2019, disse ela. A expectativa é de que essa expansão mais fraca continue e a relação entre a dívida pública e o PIB siga em expansão. Pelo lado positivo, a inflação segue benigna, o que não exige aumentos bruscos da Selic para reagir ao câmbio.  

O tamanho da dívida pública e a rigidez do Orçamento são dois problemas enfrentados pelo Brasil que diferencia o país de seus pares que passam por problemas nos mercados emergentes, como a Argentina e a Turquia, afirmou Samar ao falar da onda este ano de aumento da aversão ao risco de mercados emergentes.

Perguntada pelos jornalistas sobre a próxima revisão do rating soberano do Brasil, Samar disse que a equipe da agência de classificação de risco deve vir ao Brasil após a posse do novo presidente, em 2019, para reuniões em Brasília. O período do ano que vem que isso deve ocorrer ainda não está definido, pois vai depender da agenda do próximo governo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.