Cenário externo influencia mercado

O dia promete oscilações no mercado financeiro. O cenário externo continua com forte influência nos negócios no Brasil e, com a seqüência de notícias negativas, as perspectivas não são boas. Os investidores estarão atentos à situação na Argentina, ao preço do petróleo e ao desempenho das bolsas de Nova York. Por ser um país vizinho ao Brasil, a deterioração econômica da argentina tem reflexos no Brasil. Isso porque os investidores externos acabam generalizando a situação de toda a América Latina. O resultado disso é um aumento dos juros que o País paga em papéis de sua dívida no mercado internacional, o que acaba contaminando os juros no mercado interno. No caso do petróleo, a preocupação vem das conseqüências do cenário interno - pressão de inflação - e do mercado internacional - comprometimento do crescimento econômico mundial e possível inflação em alta nos Estados Unidos. O Instituto Americano de Petróleo (API, na sigla em inglês) divulgou ontem um relatório informando que o volume dos estoques do produto nos EUA estão próximos dos níveis mais baixos dos últimos 24 anos. No início dessa manhã, os negócios com o petróleo bruto do tipo Brent para entrega em novembro estão em alta de 1,7% em Londres, a US$ 31,68 por barril.As bolsas de Nova York também deixam o cenário instável. Nesse mês, empresas norte-americanas divulgam seus resultados trimestrais e, como estão abaixo das expectativas dos investidores, há uma revisão das projeções de ganhos dos papéis dessas empresas, não só para os próximos meses, mas também para anos futuros. Hoje serão divulgados dados das companhias AOL, Time Warner, Apple, Microsoft e Chase Manhattan.Veja a abertura do mercado financeiro para juros e dólarOs juros e o dólar já abriram pressionados hoje. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - começam o dia pagando juros de 17,260% ao ano, frente a 17,170% ao ano registrados ontem. O dólar comercial está cotado a R$ 1,8790 na ponta de venda dos negócios - uma alta de 0,37% em relação aos últimos negócios de ontem.No mercado interno, o Comitê de Política Monetária (Copom) divulga hoje a sua avaliação mensal sobre a taxa básica de juros - Selic. A expectativa geral do mercado é de manutenção dos juros no patamar de 16,5% ao ano em função do cenário externo instável.

Agencia Estado,

18 de outubro de 2000 | 10h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.