R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Cenário externo justificou manutenção dos juros, diz Copom

O Banco Central decidiu manter a taxa Selic em 16% ao ano na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) para evitar que a volatilidade de curto prazo contaminasse o comportamento da inflação. Essa foi a avaliação dos seis diretores do BC que votaram pela interrupção da queda dos juros, de acordo com a ata divulgada esta manhã pelo BC. Os diretores consideraram que os riscos de contaminação poderiam se elevar substancialmente se a política monetária não agisse de forma preventiva à possibilidade de que parte das mudanças recentes do cenário externo seja duradoura. A maioria dos integrantes do Copom considerou que o grau de incerteza envolvido nos exercícios de projeção que guiam as suasdecisões aumentou ?suficientemente?. De acordo com a ata, a prática dos bancos centrais em circunstância semelhantes é a de ?mover seus instrumentos de política monetária menos do que fariam se a incerteza adicional não estivesse presente?. Outros três diretores consideram que não havia risco de contaminação e que a taxa poderia ser reduzida em 0,25 pontos porcentuais. ?O atual contexto de dúvidas em relação à evolução do cenário externo tem gerado uma volatilidade de curto prazo que tende a aumentar a incerteza em relação ao comportamento futuro da inflação, dificultando tanto a avaliação de cenários pela autoridade monetária quanto a coordenação de expectativas dos agentes privados?, afirma a ata. O Copom avaliou que, nesse ambiente, uma volatilidade determinada por fatores de riscos que não deverão prevalecer no médio prazo, quando o cenário externo estiver melhor definido, poderia afetar de forma mais duradoura as expectativas de inflação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.