Cenário favorece queda do dólar

O mercado deve voltar a testar limites de baixa para o dólar, que voltou a despencar e fechou em R$ 2,48 ontem. Muitos analistas afirmam que o dólar não deve permanecer abaixo de R$ 2,50, pois uma valorização muito forte do real poderia comprometer a trajetória de melhora da balança comercial e das contas externas. Porém, o cenário continua favorável ao câmbio e o mercado eletrônico já indica nova queda para o dólar hoje. As declarações dadas ontem pelo diretor de política monetária do Banco Central, Luiz Fernando Figueiredo, acenando com rigidez monetária para perseguir a meta de inflação de 3,5% em 2002, ajudam a desestimular apostas na alta da moeda americana. Ainda que o BC não suba a taxa de juros Selic, o discurso mais conservador tende a manter inclinada para cima a curva de juros, encarecendo as posições cambiais dos bancos e favorecendo arbitragens que podem atrair recursos externos. Além da cautela monetária, outras notícias ajudaram a derrubar o dólar ontem. O déficit em transações correntes de outubro, embora elevado, ficou pouco abaixo do esperado e o BC reduziu a previsão de déficit acumulado no ano para US$ 23,7 bilhões. O prêmio de risco do Brasil caiu abaixo de 900 pontos e até os papéis argentinos subiram.Diante deste cenário, a demanda por hedge se reduz e é difícil o dólar voltar aos níveis antigos. No entanto, há um clamor de analistas por uma virada na estratégia do BC, que poderia começar a desmontar algumas medidas que adotou meses atrás para acalmar o câmbio - como a venda diária de US$ 50 mi e o aperto nas posições em dólar dos bancos. A rolagem de papéis cambiais também poderia ser reduzida. Mas, se depender da conjuntura e do "efeito manada", o dólar pode cair ainda mais e, assim como extrapolou na alta, também extrapolar na queda. Números dos mercadosHá pouco, o dólar comercial para venda estava cotado em R$ 2,46, com queda de 0,81%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano -pagavam juros de 20,22% ao ano, frente a 20,20% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em alta de 1,40%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.