Cenário para mercados é incerto com ataques a NY

As proporções que o ataque terrorista aos Estados Unidos poderão tomar nos mercados financeiros mundiais são totalmente imprevisíveis. Para o mercado financeiro brasileiro, a situação não é diferente. De acordo com o diretor da ABN Amro Asset Management, Mailson Hykavei, qualquer cenário traçado neste momento é totalmente incerto e análises futuras são precipitadas. "As repercussões deste fato são inúmeras. Não dá para saber o que vai acontecer", avalia.Hyvakei diz que, apesar da dificuldade em se prever o que acontecerá, uma possibilidade é uma queda ainda maior de investimentos diretos para o País. "Se já era certa a chance desta diminuição em função do desaquecimento econômico mundial, com um evento como este, com proporções indefinidas, a chance de que a entrada de recursos seja menor é potencializada. O resultado disso para os mercados financeiros brasileiros seria um aumento da instabilidade", diz.Para o gerente de análise de investimentos do HSBC Investmant Bank Brasil, Fernando Aoad, o cenário depende principalmente da reação dos Estados Unidos aos ataques terroristas e qual será a duração desta reação. "A possibilidade de uma guerra neste momento é muito grande." Aoad elogiou a decisão do fechamento antecipado na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), às 11h15. "O clima era de pânico total e não havia outra alternativa", declara. A Bovespa fechou com baixa de 9,15% hoje, acumulando perda de 29,05% neste ano.Recomendação para o investidorOs analistas são unânimes em afirmar que qualquer atitude de mudança de posição nos investimentos neste momento é arriscado. "Não dá para tomar uma atitude agora para troca de carteira de aplicação, já que não há base para uma decisão", afirma o estrategista do Deutsche Bank, José Cunha. Segundo Hykavei, o clima que impera nos mercados é que a situação atual é de imponderabilidade, ou seja, não é possível qualquer avaliação. "O investidor deve manter a calma até que se tenha uma idéia mais clara das conseqüências do atentado terrorista aos Estados Unidos nas economias mundiais", orienta. Para Aoad, o preço de uma mudança de posição de carteira neste momento pode ser muito alto. "O risco de perdas é elevado. Não há um analista ou estrategista de investimentos capaz de traçar uma perspectiva para os mercados financeiros agora. Sem isso, tomar uma decisão agora pode significar prejuízo para o investidor, se a opção feita for errada", avalia. Para quem tem dinheiro para investir neste momento, mais do que nunca, a recomendação dos analistas é a opção por investimentos seguros, sem risco de perdas. Os fundos referenciados DI, que acompanham as taxas de juros, aparecem como a principal indicação. "No curto prazo, o risco aumentou, já que não se sabe nada sobre o que pode acontecer. Em períodos de incerteza, os fundos DI já figuram como a principal recomendação. Neste momento, esta indicação é ainda mais reforçada devido à total imprevisibilidade dos fatos", avalia Aoad.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.