coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Cenário político é determinante para mercados

O mercado financeiro encerra a semana na expectativa pelo desenrolar da crise entre o PFL e o PSDB. O clima de instabilidade é menor do que no final da semana passada, mas a cautela entre os investidores permanece. O principal temor neste momento é que esta crise na base governista impeça a eleição de um candidato que garanta a continuidade do atual modelo econômico."O quadro político é o principal determinante para a definição do preço dos ativos neste momento. O clima de tensão diminuiu depois que o candidato do PSDB José Serra teve alta expressiva nas intenções de voto, mas uma reversão deste quadro pode trazer instabilidade para os negócios", afirma o estrategista-chefe do JP Morgan, Luiz Fernando Lopes.Ele esclarece que, nos próximos dias, fatores pontuais podem influenciar o humor dos investidores, como a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que reavaliará, na próxima semana, a Selic, a taxa básica de juros da economia. "Porém, acontecimentos do dia a dia perdem importância se houver fatos novos no cenário político. Isso porque a relevância da sucessão presidencial é muito maior", afirma Lopes, que já foi diretor do Banco Central (BC).Ruptura do modelo econômico atual é a principal preocupaçãoUma reação do PFL contra o presidenciável José Serra, do PSDB, é o que mais preocupa os investidores neste momento, segundo o diretor do West LB Banco Europeu, André Reis. Ele explica que estes ataques poderiam provocar uma queda nas intenções de voto também para o candidato Serra. "Desta forma, estariam inviabilizadas, pelo menos neste momento, as duas candidaturas que garantiriam a manutenção do atual modelo econômico", afirma.As primeiras reações do partido da governadora do Maranhão Roseana Sarney - pivô da crise entre o PSDB e o PFL - já começaram a surgir. Segundo apuração dos editores Eugênia Lopes e João Domingos, o presidente nacional do PFL, senador licenciado Jorge Bornhausen (SC), declarou que seu partido está pronto para tudo, "inclusive para a guerra: se querem guerra, vai ter guerra", disse Bornhausen a seus correligionários. Veja a reportagem completa sobre a reação do PFL no link abaixo.Divulgação de dados econômicos norte-americanosA rodada de índices de inflação no Brasil nesta semana já terminou e os investidores aguardam hoje a divulgação dos números norte-americanos. O departamento do Trabalho dos EUA divulga às 10h30 (horário de Brasília) o índice de preços ao produtor (PPI) de fevereiro. Segundo apurou o repórter Renato Martins, a previsão média de 21 economistas ouvidos em pesquisa da Dow Jones é uma alta de 0,1% em fevereiro. Também hoje, às 11h15 (horário de Brasília), o Federal Reserve divulga os dados da produção industrial em fevereiro. A previsão média de 21 economistas consultados é que a produção industrial tenha crescido 0,2% em fevereiro. Um pouco depois, a Universidade de Michigan divulga o índice de sentimento do consumidor preliminar de março. Analistas prevêem que o índice tenha subido para 93,0, de 90,7 no fim de fevereiro. O ritmo econômico norte-americano é observado com atenção por analistas de países do mundo tudo. Isso porque a participação dos Estados Unidos nas relações comerciais e nos mercados financeiros dos países é expressiva. Com isso, a economia da grande maioria dos países é afetada de forma direta pela situação da economia norte-americana. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.