Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Censura sem fronteiras

A expansão da internet enfraqueceu fronteiras. As pessoas podem acessar informações, participar de conversas e até comprar coisas que antes não estavam disponíveis nos locais onde moram. Na semana passada, vimos um efeito negativo dessa desterritorialização. A Sony Pictures cancelou o lançamento do filme A Entrevista, depois de sofrer um ataque de hackers, que, segundo a polícia federal norte-americana, trabalharam a mando do governo da Coreia do Norte.

RENATO CRUZ, O Estado de S.Paulo

21 Dezembro 2014 | 02h05

Dirigido por Seth Rogen e Evan Goldberg, o filme conta a história de dois jornalistas recrutados pelo serviço secreto dos Estados Unidos para matar o líder norte-coreano Kim Jong-un. Os hackers que roubaram informações da Sony ameaçaram atacar salas de cinema e espectadores se o longa-metragem fosse lançado.

Em entrevista no programa de Stephen Colbert, dias antes do cancelamento da estreia, o humorista Seth Rogen admitiu saber que a temática do filme não deixaria os norte-coreanos muito felizes. "Pessoalmente, considero apropriado fazer piadas sobre coisas reais", disse Rogen.

Alguém pode questionar o bom gosto de se fazer piada sobre um assassinato, ou até se o filme é realmente engraçado. (Um crítico que assistiu à comédia, escreveu: "A Entrevista não vale o preço que a Sony está pagando".) O grande problema dessa história é a capacidade de a Coreia do Norte ter o poder de decidir o que pessoas no mundo todo podem ver ou não.

Não é de agora que o cinema aborda esse tipo de assunto. Um filme britânico de 2006, A Morte de George W. Bush, era um falso documentário que se passava no futuro, e tratava da investigação sobre o assassinato do então presidente norte-americano. No filme, Bush teria sido vítima de um atirador em Chicago em 19 de outubro de 2007. Apesar ser alvo de críticas de políticos, o filme recebeu seis prêmios.

Dois anos antes, o escritor norte-americano Nicholson Baker publicou o livro Checkpoint (algo como "posto de inspeção"), em que duas pessoas discutem planos para matar George W. Bush.

Na edição mais recente do Índice Mundial de Liberdade de Imprensa, da organização Repórteres sem Fronteiras, a Coreia do Norte aparece em penúltimo lugar numa lista de 180 países, à frente só da Eritreia (o Brasil está em 111º). Os EUA caíram 13 posições para o 46º, principalmente por causa de sua perseguição a informantes, com a condenação de Chelsea Manning e a tentativa de prender Edward Snowden.

As próprias denúncias de Snowden mostraram como a internet é hoje um campo importante para a espionagem e até para ataques entre países. Muitas vezes apontada como instrumento de liberdade e democracia, a rede mundial corre o risco de se tornar ferramenta de propagação da censura.

Mais conteúdo sobre:
Coreia do NorteRENATO CRUZ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.