Centrais preparam medidas alternativas para o crescimento

No embalo do anúncio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), as centrais sindicais se reuniram nesta segunda-feira, na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT) em São Paulo, para elaborar propostas conjuntas para o crescimento, o desenvolvimento e a distribuição de renda no País.As centrais pretendem construir uma jornada pelo "Desenvolvimento Econômico com Distribuição de Renda". As propostas, conforme o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, Paulinho, serão fechadas em nova reunião na próxima segunda-feira e o estudo contará com o apoio técnico do Dieese."Após essa reunião, as centrais fecharão uma pauta de ações a serem desenvolvidas a partir de fevereiro", afirma Paulinho. Segundo ele, é preciso levar a discussão sobre o crescimento econômico às ruas para garantir a execução do programa anunciado pelo governo. "Não é a primeira vez que se anuncia um ´pacotão´ e nada acontece. A nossa idéia é pôr gente nas ruas para discutir e fiscalizar. Pretendemos fazer uma mobilização nacional", ressaltou Paulinho.No final de fevereiro, está prevista uma jornada de debates, que se inicia com um seminário de três dias, onde serão estabelecidos pontos a serem reivindicados pelas centrais. Durante o mês de março, as mobilizações devem ocorrer nas principais capitais brasileiras, culminando em uma Marcha a Brasília, no início de abril.Segundo o presidente da CUT, Artur Henrique da Silva, a série de seminários visa construir propostas de crescimento que coloquem a geração de postos de trabalho como tema central da política econômica do governo. "A idéia é construir ações, de mudanças na legislação, para estabelecer propostas que possam promover a distribuição renda, sem agredir o meio ambiente."Participaram ainda do encontro representantes da Social Democracia Sindical (SDS), Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT), Central Autônoma dos Trabalhadores (CAT), Nova Central e Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.