Marcello Casal Jr./ABr
Marcello Casal Jr./ABr

Centrais sindicais dão como certa adesão de categorias para paralisação na sexta; veja lista

Na capital paulista, metroviários, motoristas de ônibus e professores aderiram à chamada greve geral e devem parar durante todo o dia; sindicatos de servidores públicos federais querem Esplanada vazia na sexta

Daniel Weterman e Eduardo Laguna, Broadcast

26 de abril de 2017 | 16h08

Atualizada em 27/04/2016

SÃO PAULO - Centrais sindicais e movimentos sociais já dão como certa a adesão de diversas categorias na paralisação convocada para esta sexta-feira, dia 28, contra as reformas propostas pelo presidente Michel Temer (PMDB) no Congresso Nacional. As reformas da Previdência e trabalhista são os principais alvos. 

A greve geral ganhou corpo com o anúncio de adesão dos aeroviários dos principais aeroportos do País e também dos funcionários dos Correios.

Na capital paulista, metroviários, motoristas de ônibus e professores aderiram à chamada greve geral e devem parar durante todo o dia. O Sindicato dos Metroviários e o Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo prometem uma paralisação geral durante o dia. Os metroviários prometerem parar durante 24 horas, mas não divulgaram se a paralisação vai estender todo o sistema de trem e metrô. Já os motoristas têm uma reunião marcada na tarde desta quarta-feira para definir a extensão da greve.

O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) afirmaram que os professores da rede estadual são contrários à reforma da Previdência e à terceirização e vão paralisar suas atividades na sexta-feira, assim como os servidores municipais. Para estes, o prefeito João Doria (PSDB) afirmou que o Executivo vai descontar o dia parado na folha de pagamento daqueles que aderirem à manifestação.

Na rede particular de ensino, os sindicatos que integram a Federação dos Professores do Estado de São Paulo, e representam os professores, auxiliares e técnicos de ensino da rede privada, anunciaram que participarão da paralisação. "Estamos unidos para barrar reformas lesivas aos trabalhadores, especialmente perversas aos professores, promovidas por um governo sem voto", afirmou Celso Napolitano, presidente da Federação.

Em assembleia realizada na segunda-feira, 24, em São Bernardo, os metalúrgicos do ABC paulista também aprovaram a mobilização para a greve geral. “A intenção do governo com esse discurso de déficit na Previdência é empurrar todos os trabalhadores para a previdência privada”, disse Aroaldo Oliveira, vice-presidente do sindicato.

Além dessas categorias, entidades que representam bancários, motoboys, petroleiros e profissionais da saúde do Estado de São Paulo também comunicaram adesão à paralisação. A Central Única dos Trabalhadores (CUT) divulgou nesta quarta-feira que todas as categorias profissionais vinculadas à entidade aderiram à paralisação e vão em cidades dos 26 Estados e no Distrito Federal.

Em São Paulo, uma manifestação chamada pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo está marcada para as 17h no Largo da Batata. No Rio de Janeiro, um ato está programado para as 15h na Cinelândia.

Esplanada.  Ao contrário das grandes manifestações que costumam lotar a Esplanada dos Ministérios, a intenção da greve geral convocada para a próxima sexta-feira, 28, é deixar a Esplanada vazia. A instrução do sindicato dos Servidores Públicos Federais do Distrito Federal (Sindsep-DF) é para que os funcionários públicos permaneçam em suas casas.

"Quanto menos gente na Esplanada, melhor. A ideia é que as pessoas fiquem em casa, até mesmo porque não vai haver transporte público coletivo na sexta-feira. Queremos a Esplanada e a cidade vazia, pois é uma greve de produção e circulação", afirmou o secretário-geral do Sindsep, Oton Pereira Neves.

Segundo ele, a partir das 7h, haverá piquetes nas portas de todos os órgãos federais na capital para o convencimento dos funcionários que tentarem ir trabalhar. A previsão é de que poucas pessoas se reúnam a partir das 10h no "Espaço do Servidor", localizado entre os blocos C e D da Esplanada (entre os ministérios do Planejamento e da Agricultura).

Participe.'Estadão' vai acompanhar nas ruas a greve geral marcada para essa sexta-feira, 28. Foi afetado pela paralisação? Fotografou ou filmou um fato e quer compartilhar? Envie por WhatsApp pelo número (11) 9-7069-8639 ou baixe aplicativo 'Você no Estadão' para participar da cobertura jornalística. Com ele, você envia vídeos e fotos. Sua colaboração pode ir parar nas páginas do jornal, no portal e nos aplicativos de notícias. O app está disponível para IOS e Android.

Veja quais são as categorias que já confirmaram a paralisação na sexta-feira, segundo a Intersindical, a CUT e a Força Sindical:

1-  Metroviários SP

2-  Metalúrgicos SP

3-  Rodoviários SP e do Acre

4-  Sintusp – Trabalhadores da USP

5-  Professores Estaduais

6-  Educadores Municipais

7-  Sintaema – Trabalhadores da Sabesp, Cetesb e Fundaçao Florestal

8-   Eletricitários

9-  Bancários SP

10-  Portuários de Santos

11-  Rodoviários de Santos

12-  Correios SP

13-  Portuários ES

14-  Sindsef – Servidores Federais

15-  Sinsprev

16-  Sintrajud – Judiciário Federal

17-  Sindjesp - Judiciário Estadual

18-  Siemaco Baixada Santista

19-  Químicos SP

20-  Químicos SJC

21-  Andes

22-  Rodoviários Santos

23-  Rodoviários de Guarulhos

24-  Rodoviários de Osasco

25-  Rodoviários de Campinas

26-  Rodoviários Vale do Paraíba

27-  Rodoviários do ABC

28-  Sindicato da Alimentação SJC

29-  Metroviários BH

30-  Metroviários RS

31-  Metroviários Recife

32-  Metroviários DF

33-  Aeroviários SP

34-  Aeroviários RJ

35-  Rodoviários RJ

36-  Professores da rede privada

37-  Trabalhadores da limpeza urbana (Garis e coleta de lixo)

38-  Professores Municipais de Suzano

39-  Sindicato da Alimentação de SP

40-  Vigilantes de SP

41-  Servidores Municipais de SP

42-  Sindicato da Construção Civil

43-  Petroleiros do Litoral Paulista

44-  Sindimoto - Motociclistas, Mototaxi, mensageiros

45-  Sindicato dos Vigilantes

46-  Onibus Arujá

47-  Onibus Bertioga

48-  Onibus Cubatão

49-  Onibus Diadema

50-  Onibus Embu das Artes

51-  Onibus Embu-Guaçu

52-  Onibus Ferraz de Vasconcelos

53-  Onibus Guarujá

54-  Onibus Guarulhos

55-  Onibus Itanhaém

56-  Onibus Itapecerica da Serra

57-  Onibus Itaquaquecetuba

58-  Onibus Juquitiba

59-  Onibus Mauá

60-  Onibus Mongaguá

61-  Onibus Osasco

62-  Onibus Peruíbe

63-  Onibus Poá

64-  Onibus Praia Grande

65-  Onibus Ribeirão Pires

66-  Onibus Rio Grande da Serra

67-  Onibus Santo André

68-  Onibus Santos

69-  Onibus São Bernardo do Campo

70-  Onibus São Caetano do Sul

71-  Onibus São Lourenço da Serra

72-  Onibus São Vicente

73-  Onibus Taboão da Serra

74-  Onibus Vargem Grande Paulista

75- Ferroviários de BH

76- Ferroviários de PE

77- Ferroviários de RJ

78- Sindtel (telemarketing);

79- Trabalhadores da Cia de Energia de DF;

80- taxistas (várias regiões de SP);

81- Caminhoneiros;

82- Comerciários de diversas regiões;

83- Professores de escolas particulares de SP (SINPRO)

84 - Analistas de Políticas Sociais (Governo Federal)

85 - Servidores do Poder Legislativo Federal (Sindlegis)

86 - Costureiras SP

87 - Frentistas SP

88 - Gráficos SP

89 - Eletricitários SP

90 - Alimentação SP

91 - Indústria de brinquedos SP

92 - Porteiros SP

93 - Estivadores Guarulhos

Nesta quarta-feira, 26, definirão em assembleia os Ferroviários de SP, Metroviários do RJ, Aeronautas. Amanhã definem metroviários PI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.