Centrais sindicais pedem redução da jornada de trabalho

A Campanha pela Redução da Jornada de Trabalho sem Redução de Salários será lançada, no dia 11 de fevereiro, às 11 horas, na Praça Ramos, em São Paulo, pelas centrais sindicais CUT, Força Sindical, UGT, CGTB e Nova Central. A decisão foi tomada hoje, em reunião com dirigentes dessas centrais. De acordo com o secretário-geral da Força Sindical, José Carlos Gonçalves, o Juruna, a redução da jornada é necessária, inclusive, para melhorar o desempenho profissional dos trabalhadores.As centrais sindicais pretendem recolher, entre 11 de fevereiro e 1º de maio, mais de um milhão de assinaturas em todo o Brasil. O abaixo-assinado será encaminhado ao Congresso Nacional. Segundo Juruna, os sindicalistas querem mostrar aos parlamentares a importância da medida, que, para ele, determina diversos benefícios para a vida do trabalhador, como mais tempo com a família, oportunidade para investir em estudos profissionais e melhoria da qualidade do descanso. E justifica: "O profissional descansado realiza trabalhos de melhor qualidade."Segundo o secretário-geral da Força Sindical, a idéia da campanha é que as negociações aconteçam de forma pacífica, porém, alerta: "Estaremos dispostos a fazer greves, caso seja necessário." E complementa: "Temos experiência em greves e não teremos medo de realizá-las. Aliás, conseguimos a primeira redução das jornadas em 1988 dessa forma."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.