David Fernández/EFE
David Fernández/EFE

Central sindical da Argentina confirma greve geral para 25 de setembro

Central convoca quarta paralisação contra o governo desde que Macri chegou ao poder, em dezembro de 2015

O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2018 | 15h26

BUENOS AIRES - A Confederação Geral do Trabalho da Argentina (CGT), a maior central operária do país, confirmou nesta quarta-feira, 29, que realizará no dia 25 de setembro uma greve geral contra a política econômica do governo de Mauricio Macri, a quarta desde que o presidente chegou ao poder.

Em entrevista coletiva após a realização em Buenos Aires de um plenário de secretários-gerais, Héctor Daer, um dos três líderes da cúpula sindical, destacou, sem dar mais detalhes, que será uma paralisação de 24 horas, sem mobilização.

Por sua vez, o representante da Associação Bancária, Eduardo Dimas Berrozpe, ressaltou que, após essa jornada, "deve vir um plano de ação".

A greve será a quarta que a central convoca contra o governo desde que Macri chegou ao poder, em dezembro de 2015 e busca rejeitar o rumo econômico do país, marcado pela forte inflação e uma desvalorização do peso de mais do 68% neste ano.

A paralisação foi convocada também em oposição ao acordo de crédito confirmado no dia 7 de junho entre a Argentina e o Fundo Monetário Internacional (FMI) no valor de US$ 50 bilhões. / EFE 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.