CEO da Rosneft apoia venda de participação da Rússia

O diretor presidente da petrolífera russa Rosneft, Igor Sechin, afirmou seu apoio à intenção do governo do país de vender uma fatia de 19,5% da sua participação, desde que a Rússia mantenha o controle da companhia. Discursando em um Fórum Internacional de Investimento, neste sábado, Sechin disse ver "nenhum obstáculo que possa impedir a venda".

Agencia Estado

24 de maio de 2014 | 12h09

Na última segunda-feira (19), o ministro das Finanças russo, Anton Siluanov, informou que o governo poderia vender uma participação na Rosneft mais cedo do que o planejado. A Rússia, que detém 69,5% da petrolífera, havia planejado vender a participação em 2016. O governo se comprometeu a reduzir a sua participação para um pouco acima de 50%.

Apesar de apoiar a privatização, em princípio, funcionários do governo afirmam repetidamente que a Rússia não necessita, do ponto de vista orçamental, vender parte de suas participações nas empresas do país. Ainda segundo alguns membros do governo, as fatias devem ser vendidas somente quando as condições de mercado estiverem certas.

O mercado de ações russo caiu drasticamente nos últimos meses em meio a um impasse com o Ocidente sobre a anexação da Crimeia, reduzindo o valor da Rosneft. Sechin, no entanto, indicou que uma venda antecipada pode ser possível, apesar do mercado fraco. "Podemos esperar por uma janela de oportunidade, ou criar esta janela", disse ele .

O CEO evitou uma pergunta sobre se os possíveis compradores seriam empresas chinesas. "É prematuro definir quem vai comprar, quem pagar mais será o comprador", garantiu.

Sechin observou que uma redução da participação da Rússia na Rosneft abaixo dos 50% seria "contraproducente", pois isso reduziria o acesso da empresa a recursos inexplorados na plataforma ártica russa. Somente as companhias controladas pelo governo estão autorizados a explorar grandes campos de petróleo e gás na Rússia.

Ainda segundo o executivo, aliado próximo do presidente Vladimir Putin, disse que o acordo para a compra de uma unidade de comércio de petróleo do Morgan Stanley está dentro do cronograma. "Esta transação está ocorrendo dentro do cronograma , estamos trabalhando em estreita colaboração com os reguladores para obter as respectivas autorizações". "Até agora tudo está indo bem", completou.

A companhia e a Britânica BP informaram hoje a assinatura de um acordo para explorar conjuntamente para explorações profundas de petróleo na Rússia, o primeiro grande negócio da Rosneft com uma empresa ocidental desde a aplicação das sanções econômicas em represália à anexação da Crimeia. Também neste sábado, a petrolífera informou que está negociando a compra de uma empresa se serviços de perfuração norueguesa. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaRosneftparticipação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.