CEO de Merrill Lynch espera mais cortes de juros do Fed

A economia norte-americana pode não terentrado completamente em uma recessão, mas está desacelerandosignificativamente e o Federal Reserve deve realizar maiscortes na taxa de juro para evitar mais problemas, disse opresidente-executivo do Merrill Lynch nesta quarta-feira. "Eu estou preocupado com a economia norte-americana. Elaestá desacelerando significativamente. Expectativas de maiscortes na taxa de juro podem ajudar a aliviar a desaceleraçãoda economia", disse John Thain em coletiva em Moscou.O Federal Reserve cortou a sua taxa básica de juros de formainesperada na terça-feira em 0,75 ponto percentual, mas Thaindisse que mais cortes serão necessários. "O corte da taxa de juro não é o suficiente para consertara economia mundial e não irá ajudar os decadentes preços dosimóveis. As grandes quantidades de imóveis não vendidos nosEstados Unidos e o desemprego estão aumentando", disse ele emcoletiva após abrir um novo escritório em Moscou. Thain disse que a Rússia, o maior exportador do mundo dorecursos naturais como petróleo, gás e metal, está mais isoladados problemas econômicos globais do que outros mercadosemergentes como Brasil, Índia e China."A economia russa éprotegida de alguma forma pela energia." Mas, como o resto do mundo, é pouco provável que escapeplenamente dos problemas econômicos surgidos nos EstadosUnidos. Na última semana, o Merrill, a maior corretora domundo, reportou uma baixa contábil de aproximadamente 16bilhões de dólares relacionadas às hipotecas de alto risco(subprime) e à reajustes. Thain disse nesta quarta-feira que ele não iria procurarmais capital ou tentar levantar dinheiro no futuro: "Nósestamos bem capitalizado". Ele também reiterou que ele nãoespera grandes cortes de empregados (Reportagem de Amie Ferris-Rotman)

REUTERS

23 de janeiro de 2008 | 12h32

Mais conteúdo sobre:
BANCOSMERRILLCORTES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.