CEO do JPMorgan está preocupado com 'queda dupla' na economia

O presidente-executivo do JPMorgan Chase & Co's disse nesta quinta-feira que não tem pressa em aumentar o dividendo que o banco paga, já que a economia pode seguir ameaçada por um cenário de "queda dupla".

REUTERS

25 de fevereiro de 2010 | 21h32

"Não nos importamos em manter um capital extra porque agora não sabemos o que vai acontecer", disse Jamie Dimon em uma apresentação no dia do investidor. "Há um monte de situações potencialmente negativas", acrescentou.

Dimon disse que quer ver uma alta consistente das taxas de emprego durante meses antes de subir o dividendo do banco.

Alguns analistas especularam que pode haver em breve um aumento do dividendo de 20 centavos de dólar por ação ao ano devido ao multimilionário retorno em dólares do ano passado.

Dimon disse que o banco gostaria de aumentar seu dividendo anual a 75 centavos ou 1 dólar por título, mas o conselho da entidade preferiria estar convencido de que o pior da crise já ficou para trás antes de tomar essa decisão.

(Reportagem de Elinor Comlay)

Tudo o que sabemos sobre:
MACRO, JPMORGAN, PREOCUPADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.