Cepal defende integração acelerada de latino-americanos

As negociações dos tratados de livre-comércio entre as grandes economias "aceleram a urgência de que os mercados latino-americanos sejam mais integrados", declarou nesta terça-feira, 10, Alícia Bárcena, secretária executiva da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal), Alícia Bárcena. Segundo ela, Brasil, México e Trinidad e Tobago "deveriam ter uma clara visão sobre para onde querem ir na integração regional" e as negociações do Brasil com a União Europeia (UE) poderiam ajudar no processo, porque muitos países latinos estão fora dos tratados.

MARINA GUIMARÃES, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

10 de setembro de 2013 | 15h29

"Observamos que o Brasil poderia, e se assim o faz, renovar o interesse de negociações com a UE, que podem abrir novas perspectivas para a integração regional", afirmou em entrevista à imprensa na sede da instituição, em Santiago. A executiva destacou que o Brasil precisa "ver se consegue um acordo em diferentes velocidades ou se o Mercosul pode concluir a negociação com a União Europeia". Se for assim, continuou, "estaremos falando de 15 países da América Latina mais o Caribe que têm acordo com a UE".

No documento divulgado nesta terça sobre o comércio da região, a Cepal destacou que quatro negociações regionais estão modificando o panorama do comércio mundial: Acordo Transpacífico de Associação (TPP); Acordo Transatlântico de Comércio e Investimento entre União Europeia e Estados Unidos; Associação Econômica Integral Regional (que envolve 10 membros da ASEAN mais Austrália, China, índia, Japão, Nova Zelândia e Coreia); e o Tratado de Livre-Comércio (TLC) da China-Japão-República da Coreia e União Europeia-Japão.

"Um dos aspectos chamativos destes acordos é que nenhum deles considera os países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), alertou Osvaldo Rosales, diretor da divisão de Comércio Internacional e Integração da Cepal, autor do documento. Rosales ressaltou que, nos últimos anos, as projeções da economia mundial feitas por instituições, bancos privados e consultorias mostram que o Brics terá um peso substantivo nos próximos 20, 30, 40 anos na economia global.

Tudo o que sabemos sobre:
CepalintegraçãoBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.