Cerca de 200 mil sms são enviados por segundo no mundo, diz ONU

Volume crescente de mensagens acompanha a explosão do número de celulares em todo o planeta, principalmente nos países emergentes

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo,

19 de outubro de 2010 | 15h47

Enquanto o leitor estiver lendo o primeiro parágrafo desta matéria, 3 milhões de sms terão sido enviados entre celulares de todo o mundo. Nesta terça-feira, 19, a ONU divulgou a primeira estimativa mundial de envios de sms e concluiu que, por segundo, quase 200 mil mensagens são enviadas.

O volume em plena expansão acompanha a explosão do número de celulares em todo o planeta, principalmente nos países emergentes. Entre 2007 e 2010, o volume mais que triplicou, passando de 1,8 trilhão sms há três anos para 6,1 trilhões em 2010.

O fenômeno dos sms, portanto, chamou a atenção da entidade internacional e está sendo classificada como um "poderoso meio de comunicação", principalmente por seu custo baixo em muitos países. Na África, serviços de telefonia estão permitindo que agricultores possam receber informações sobre a previsão do tempo por sms, além da cotação de seus produtos nas capitais. Hoje, o número de celulares na África é bem superior ao de telefones fixos.

Em média, o envio está custando US$ 0,07 por mensagem. Mas esse valor é bem maior no Brasil, que tem o celular mais caro entre todos os países emergentes e um dos mais caros do planeta.

Para as empresas, o envio de sms tem sido um parcela importante de suas rendas. Por minuto, sms renderam ao setor US$ 812 mil. Na China Mobile, a maior empresa de celulares do mundo em números de assinantes, as mensagens de texto já representaram 12% de sua receita.

Mas são americanos e filipinos os maiores responsáveis pelo envio de mensagens de texto no mundo. Juntos, os dois países mandam um terço de todos os sms no planeta. A ONU informou que não há informações recentes sobre o volume de sms enviados no Brasil.

 
Tudo o que sabemos sobre:
smscelularmensagemONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.