Cerca de 500 pessoas ocupam sede da Petrobras no Rio

Movimentos sociais e sindicalistas protestam pelo cancelamento de leilões e mudanças na legislação do setor

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

17 de dezembro de 2008 | 10h38

O Movimento dos Sem Terra (MST) divulgou comunicado informando que mais de 500 pessoas ocuparam a sede administrativa da Petrobras, localizada na avenida Chile, no centro do Rio. De acordo com o informe da entidade, os manifestantes exigem o cancelamento dos leilões e em especial da 10ª Rodada de Licitações do Petróleo e Gás brasileiros. A rodada é promovida pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), e deve ser realizada entre os dias 18 e 19 desse mês. Outra reivindicação da ocupação, de acordo com o mesmo comunicado, é de mudanças na legislação que regula o setor de petróleo e gás que, na análise da entidade, permite "privatização" de recursos minerais. Ainda de acordo com o mesmo comunicado, os manifestantes solicitam a realização de uma reunião com o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli.  O objetivo do encontro seria de debater o cancelamento do leilão, previsto para ser iniciado amanhã. A entidade informou ainda que os sindicatos de petroleiros também estão ingressando na Justiça com Ações Civis Públicas, cobrando a suspensão da 10ª Rodada de Licitações da ANP. Além dos protestos, a entidade divulgou que está apoiando abaixo-assinado exigindo "o fim dos leilões e a recuperação da Petrobras 100% estatal". O informe do MST é assinado por outras entidades sindicais e estudantis, como Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD),Sindicato dos Petroleiros do Rio, FNP, Federação Única dos Petroleiros (FUP), Via Campesina, Conlutas, Intersindical, UNE-FOE, e Movimento Estudantil. Procurada pela Agência Estado, a Petrobras informou, via assessoria de imprensa, que os manifestantes ainda se encontram no prédio, mas no saguão do edifício. Para impedir a subida das pessoas que integram o protesto, a estatal desligou a maioria dos elevadores, mantendo apenas um ligado, para a entrada de funcionários da empresa.

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasANPProtestoMST

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.