NYT
NYT

Cerca de metade das ofertas de Black Friday na internet não são reais, alerta especialista

As promoções reais crescem, mas a prática da 'metade do dobro' ainda é comum

Talita Nascimento, especial para o Estado

13 de novembro de 2018 | 13h36

As fraudes de ofertas no período da Black Friday ainda são realidade no varejo brasileiro. A prática de subir os preços antes das promoções para depois oferecer falsos descontos tem diminuído, mas cerca de metade dos anúncios na internet não são verdadeiros, de acordo com Raphael Pawlik, da Promobit, startup que monitora preços e ofertas. 

“Essa tendência, felizmente, está diminuindo no varejo nacional. Estamos chegando em um nível de maturidade um pouco maior. Mas, historicamente, a gente ainda tem entorno de 50% das ofertas que não são verdadeiras”, diz Pawlik. Ele, sócio da Promobit, e William Oliveira, da área de conteúdo da empresa,  conversaram com os seguidores do Estadão no Facebook sobre dicas para prevenção de golpes e falsas promoções nessa época do ano. 

Os itens mais buscados no e-commerce nesse período são eletroeletrônicos e eletrodomésticos. “A Black Friday é uma compra para você ou para a sua casa”, diz Olveira. Ele afirma, porém, que quem já está planejado para o Natal pode aproveitar as promoções para poupar o 13º no próximo mês, prática que vem crescendo.

Esses tipos de produtos, nos Estados Unidos, são tradicionalmente comercializados a preços mais baixos na chamada Cyber Monday, segunda-feira após a Black Friday, que acontece no dia 25 de novembro em 2018. Os representantes da startup lembram, porém, que no Brasil as ofertas começam a ser divulgadas desde a quinta-feira, não sendo necessário aguardar para conseguir preços muito melhores

Fraudes online

Links falsos, programados para roubar dados dos usuários também podem se multiplicar no período de promoções. Para William Oliveira, o próprio aumento da busca pelo termo “Black Friday” pode gerar o crescimento de links maliciosos com esse tema.

Ele lembra que é importante estar atento ao inserir senhas e outros dados pessoais no momento da compra.

Outro ponto a prestar atenção é a compra em lojas que vendem apenas nas redes sociais. Raphael Pawlik afirma que as fraudes nesses casos são mais comuns. “Dentro de redes sociais a gente não costuma monitorar, nem recomendar”, alerta. A dica, nesse caso, é buscar lojas que tenham um endereço físico e outras formas de venda além das redes sociais.

Parceria com 'Estado'

A Promobit será parceira do Estado na cobertura da Black Friday 2018. Ao longo das próximas duas semanas, o Estado divulgará, com a startup, um índice de ofertas reais e de armadilhas durante o período de compras.

A Promobit tem média de 5 milhões de acesso por mês, 500 mil usuários cadastrados e 300 lojas participantes. Com essa estrutura, a empresa é especialista em valiação de histórico de preços, de confiabilidade das empresas e reputação de lojas virtuais a partir da opinião dos próprios internautas.

Acesso liberado

O Estado vai liberar aos leitores todo o conteúdo de seu portal durante a edição da Black Friday de 2018, que acontece no dia 23 de novembro. A cobertura especial vai começar na meia-noite do dia 23 e permanecerá até 0h01 de 24 de novembro.

Os leitores vão contar com cobertura em tempo real, transmissões ao vivo dos repórteres da editoria de economia e informações exclusivas desta que é a principal temporada de compras do ano no Brasil, atrás apenas do Natal.

Para Entender

Black Friday 2018: tudo o que você precisa saber

Maior campanha de vendas promocionais no comércio online e varejo físico do Brasil ocorre, neste ano, no dia 23 de novembro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.