Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Cerco contra importações irregulares de vestuário ajuda mercado

O diretor-superintendente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), Fernando Pimentel, declarou nesta sexta-feira, 16, que a operação ''Panos Quentes 3'', realizada pela Receita para fechar o cerco às importações irregulares de confecções, teve grande importância para o mercado poder operar dentro de uma concorrência leal. Ele destacou, no entanto, que o objetivo é o combate a fraudes para eliminar "extremos incompatíveis" com o custo da produção no Brasil.

Renata Veríssimo, da Agência Estado,

16 de dezembro de 2011 | 13h10

Segundo Pimentel, o País tem sido alvo de excedente produtivo em função da retração econômica em outros mercados, como o americano. Ele disse que, embora a maior parte do consumo interno seja de produtos fabricados no Brasil, o aumento das importações de confecções tem crescido, trazendo risco de desindustrialização.

Pimentel informou que o consumo aparente de importados no Brasil é de 12%, mas era apenas de 2,5% há quatro anos. O consumo aparente é calculado pela produção brasileira menos exportações mais importações.

Ele destacou que os brasileiros consomem hoje cerca de R$ 100 bilhões em produtos de vestuário. Destacou ainda que esses números não consideram as importações de produtos têxteis trazidas por turistas.

Pimentel disse também que, enquanto o varejo desse setor tem crescido cerca de 5%, a produção nacional deve ter uma queda de 5% este ano. Além disso, ele acredita que o setor fechará 2011 com a eliminação de postos de trabalho ante uma abertura de 65 mil vagas ocorrida em 2010. O diretor da Abit admitiu, no entanto, que a perda de emprego no setor se deve a várias circunstâncias que não só o aumento da concorrência dos importados. Mas destacou que a balança comercial de têxtil e confecções está deficitária. "A participação dos importados (de vestuário) no mercado doméstico é pequena, mas evolução é muito ruim", alertou.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Panos QuentesReceitaAbit

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.