EFE
EFE

Cereja eletrônica ajuda a melhorar a qualidade da fruta

Equipamento com memória registra impactos durante o transporte e ajuda a aperfeiçoar processo produtivo

Economia & Negócios,

25 de junho de 2013 | 13h41

SÃO PAULO - Engenheiros criaram uma cereja eletrônica para ajudar a melhorar a qualidade das frutas produzidas no Vale do Jerte, na Espanha. Embora não sirvam para comer, elas vão ajudar a tornar mais saborosas das cerejas produzidas no país.

Os engenheiros do departamento de Eletrônica e Engenharia Eletromecânica da Universidade de Extremadura criaram a e-cereja com o objetivo registrar os impactos que as frutas sofrem durante o processo de classificação e distribuição, quando rolam por esteiras transportadoras.

Muitos frutos são deteriorados, segundo os pesquisadores Rafael Leal e José Manuel Mangas, pelas mudanças de velocidade nas esteiras de transporte com extensão de até 20 metros. Eles desenvolveram as cerejas eletrônicas a pedido das cooperativas de produtores.

Com as versões eletrônicas das frutas, os produtores vão poder estudar medidas que reduzam o impacto causado pelo transporte até as indústrias processadoras, melhorando a qualidade e a lucratividade.

A réplica de cereja foi desenhada a partir de um projeto de investigação anterior, também gerado nos laboratórios da Universidade de Extremadura, e que consistia em criar um fruto eletrônico do tamanho de uma laranja.

O protótipo original foi melhorado até chegar à e-cereja. Rafael Leal e José Manuel Mangas conseguiram integrar no interior da fruta eletrônica diferentes componentes tecnológicos: memória, micro-controlador e um acelerômetro, que serve para medir as mudanças de velocidade nas fitas transportadoras.

Os dados são posteriormente transferidos para computadores para serem interpretados com um software especial. A cereja eletrônica funciona com uma pilha recarregável e deverá ser comercializada para produtores de frutas com a marca 'Coveless'.

Tudo o que sabemos sobre:
Cerejaeletrônicaespanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.