Certeza na economia dos EUA dominará emergentes

O debate sobre a retomada entre os investidores do apetite pelos ativos dos países emergentes continua intenso. E inconclusivo. Para os estrategistas do HSBC as incertezas em torno da economia norte-americana continuarão dominando os mercados emergentes. "Apesar da recente minirrecuperação nos emergentes, a perspectiva de médio prazo para os ativos de risco será cada vez mais influenciada pelas percepções do futuro crescimento econômico", afirmam os estrategistas do banco britânico. "No final das contas, as perspectivas para os mercados de crédito e taxas emergentes dependem do comportamento do apetite por risco."Já os analistas do banco Morgan Stanley, Mike Buchanan e Fiona Lake, observam que logo após o depoimento do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, ao congresso norte-americano, muitas moedas, títulos e ações dos emergentes registraram forte alta, após um período de turbulência durante o pico dos temores em torno do conflito no Oriente Médio. Na avaliação deles, está em curso desde uma leve retomada de apetite pelos emergentes, após uma drástica redução da exposição dos investidores a ativos de risco nos últimos dois meses. Buchanan e Lake, no entanto, prevêem que os emergentes serão alvo de nova pressão no quarto trimestre deste ano por causa de uma desaceleração da economia norte-americana mais forte do que está sendo precificada hoje pelos mercados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.