DANIEL GALLO/ESTADÃO
DANIEL GALLO/ESTADÃO

Cervejarias não temem escassez de água

Enquanto o governo estadual cogita racionamentos para indústrias e consumidores residenciais abastecidos por reservatórios administrados pela Sabesp, pelo menos uma indústria não tem perspectivas de falta d'água no horizonte: a de cerveja. Isso porque, segundo apurou o Estado, as grandes empresas do ramo, responsáveis por mais de 90% da produção total, só instalam fábricas em locais onde o abastecimento de água próprio é garantido.

FERNANDO SCHELLER, O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2015 | 02h06

Em fábricas de gigantes como a Ambev, que domina 70% do mercado, o abastecimento costuma ser feito por captação em águas profundas, geralmente de aquíferos, a cerca de 250 metros de profundidade. Na maioria dos casos, a autoridade responsável - no caso de São Paulo, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) - concede uma outorga não onerosa às indústrias para captar água de uma fonte determinada.

Uma das razões para as companhias usarem a própria fonte, além da garantia de abastecimento, é a qualidade da água. Além de garantirem a origem do insumo, as fábricas têm as próprias estações de tratamento para que o produto não tenha alterações de sabor ou contaminação. Para lavar vasilhames, as cervejarias usam água de reúso. Em algumas situações, as companhias também usam água descartada pelo sistema público, após novo tratamento.

Os aquíferos usados pelas cervejarias de grande porte vão permitir que as empresas tenham água mesmo quando parte da população estiver com as torneiras secas. Já os pequenos negócios do ramo - as cervejarias artesanais - podem sofrer. "São os pequenos negócios que vão enfrentar a escassez e a alteração da qualidade da água, fatores que podem influenciar em seu produto", diz um consultor da área de bebidas, que pediu para não ser identificado.

Em comunicado, a Ambev afirmou que a economia de água é uma preocupação constante. Entre 2002 e 2013, a Ambev afirma ter reduzido em 38% o uso de água em seus processos industriais. A Associação Brasileira da Indústria de Cerveja (CervBrasil), afirmou, em nota, que a maior parte das 53 fabricantes do produto no País está localizada em áreas hoje não ameaçadas de racionamento.

As fontes de água outorgadas às indústrias podem ficar disponíveis por décadas desde que seja respeitada a capacidade de vazão da fonte, diz Sérgio Werneck Filho, presidente da Nova Opersan, que se dedica a criar sistemas de captação e gestão da água para indústrias. Segundo ele, empresas de diversos segmentos se mostram mais preocupadas com a questão da água.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.