Cervejas Cintra pode construir 2 novas fábricas no Brasil

A empresa Cervejas Cintra, de Portugal, está estudando a possibilidade de contruir duas novas fábricas no Brasil e já está negociando parcerias para esses projetos, informou hoje o jornal português Diário Econômico. O presidente da empresa, José Souza Cintra, disse que após o sucesso de seus negócios no Rio e São Paulo, estados onde estão localizadas suas unidades de produção no País, poderá abrir no próximo ano fábricas em Salvador, na Bahia, e no Mato Grosso do Sul. "Dadas as distância no Brasil é difícil através das unidades do Rio e São Paulo chegarmos ao Nordeste brasileiro, pelo que estamos com estudos para investir lá", disse Sousa Cintra ao jornal. O empresário afirmou ainda que já fez sondagens iniciais no RJ e MS, que considera bem sucedidas. Segundo ele, as novas unidades serào menores que as já existentes no país, pois o consumo nesses Estados é inferior ao do Rio e São Paulo. O grupo investiu ? 117,6 milhões na unidade de Piraí, no Rio.Ao negociar parcerias para estes novos projetos, Sousa Cintra poderá vender uma posição minoritária das Cervejas Cintra no Brasil. Segundo o empresário, há várias hipóteses para essa transação, mas o processo sofreu algum atraso por causa das eleições no Brasil. "É natural que os investidores, que estavam analisando esse negócio, tenham ficado na expectativa quanto à eleição e quanto ao futuro do Brasil", disse. Sousa Cintra, no entanto, afirmou que o presidente Lula tem "surpreendido positivamente e soube rodear-se de pessoas de categoria" e, por isso, acredita que até ao final do ano o negócio esteja concluído. Do pacote poderá também fazer parte uma participação do projeto em Portugal. "Hoje em dia com a globalização não faz sentido investirmos sozinhos. É preferível estabelecer boas parcerias, até para dividir o risco", disse Souza Cintra. No Rio, a Cerveja Cintra detém já uma quota de mercado de cerca de 6%, enquanto que no Estado de São Paulo, a quota atinge os 3%, segundo o empresário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.