Cesp: alta das ações puxam Bovespa

A notícia da privatização da Cesp Paraná - última remanescente da antiga Cesp - e a queda do petróleo ajudaram a manter a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) em alta durante a manhã. Em Nova York, as bolsas operam em queda devido aos anúncios de queda no resultados das empresas norte-americanas. Ontem foi a vez da Dell divulgar recuo em suas perspectivas de lucros do terceiro trimestre.A Bovespa opera em alta de 2,57% no início da tarde. O barril do petróleo bruto do tipo Brent para entrega em novembro está em queda de 0,97% em Londres, a US$ 29,55 por barril. A Nasdaq - bolsa norte-americana que negocia ações do setor de tecnologia e Internet - registra queda de 0,25% e o índice Dow Jones - que mede a valorização das ações mais negociadas na bolsa de Nova York - acumula queda de 0,22%.A Bovespa chegou a subir 1,9% com o anúncio do preço mínimo da Cesp Paraná, que ficou em R$ 1,739 bilhão, levemente acima da expectativa de R$ 1,5 bilhão. A ação da Cesp, que já subiu mais de 8% ontem com a expectativa de definição do preço para o leilão, voltou a ser destaque nesta quinta-feira. No final da manhã, as preferenciais (PN, sem direito a voto) da empresa subiam 6,73% e lideravam o ranking de alta do Ibovespa - Índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bovespa.O volume de negócios ainda é baixo - R$ 240 milhões na primeira parte do pregão. Fatores como a falta de melhor regulamentação e a CPMF, aliados a riscos como o dos balanços das empresas americanas e do petróleo, ainda impedem um melhor desempenho da Bolsa. Mas, se as oscilações em Nova York continuarem baixas, há quem considere possível a Bolsa subir por algum tempo, recuperando as perdas das últimas semanas, mesmo com volume baixo. No mercado de câmbio, o dólar está cotado a R$ 1,8500 - queda de 0,22% em relação aos últimos negócios de ontem. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - começam a tarde pagando juros de 16,880% ao ano, frente a 16,970% ao ano registrados ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.