Cesta básica caiu 1,39% na semana passada

Pela terceira semana consecutiva, a variação do custo da cesta básica calculado pela Fundação Procon/Dieese foi negativa em São Paulo, com queda de 1,39% em relação ao resultado da semana anterior, quando o valor da cesta caiu 0,30%. Segundo avaliação do Procon, as quedas nos preços dos alimentos, que no mês de outubro garantiram variações mínimas em diversos índices de custo de vida, foram as responsáveis pela continuidade da tendência de queda em ritmo ainda mais acelerado.Na análise do Procon, com a entressafra, os preços de vários itens da cesta sofreram elevações superiores à capacidade de absorção do mercado atual. Além disso, alguns produtos, como a carne, estão ultrapassando as fases críticas do choque na oferta, característico do período, sem registrar altas significativas. De acordo com dados do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), a carne bovina teve alta de 0,66% no resultado da primeira quadrissemana de novembro.Outro item que colabora para a tendência de baixa é o leite, com extensão para seus derivados. No levantamento da Fipe da primeira prévia do mês, o leite longa vida foi o produtos que apresentou a maior variação negativa (-13%). Preços sobem nos supermercadosSegundo o levantamento semanal realizado pelo InformEstado nos principais hiper e supermercados de São Paulo, o valor dos alimentos já registra alguma recuperação, o que pode significar estagnação da tendência de queda dessas produtos. Isso ocorre, principalmente, porque os preços estabilizados são comparados com outros de menor valor.A pesquisa aponta alta de 0,97% ante a queda de 1,11% registrada na semana anterior. Ainda nos supermercados, os produtos in natura tiveram variação positiva de 1,95% após registrarem queda de 1,86% na semana passada. Nas feiras livres, verduras, frutas, legumes, ovos e itens diversos mostraram trajetória contrária, passando de 0,84% para -1,48% nesta semana.Entre as principais altas registradas pelo InformEstado nos supermercados, destacam-se os ovos (4,96%) e a carne (4,01%). Dentro do levantamento dos alimentos in natura os ovos também se destacaram como o grupo de maior alta nas feiras livres (4,38%) e nos supermercados (4,96%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.