Cesta básica sobe 6,02% no mês

De acordo com levantamento da Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae), do Ministério da Fazenda, a alta de preços foi registrada em 22 produtos que correspondem a quase 80% da composição total do custo da cesta. Frango resfriado e feijão foram os produtos cujos preços sofreram as maiores altas: 26,67% e 22,34%, respectivamente.Também tiveram elevação de preços carne bovina (8,77%), açúcar (14,50%) e queijo mussarela (9,63%).No período analisado, apenas dois itens da cesta básica registraram recuo de preços: os produtos de limpeza, que tiveram queda de 0,46%, e de higiene pessoal, com 0,57%.Aumento deve cederO coordenador-geral de produtos agrícolas da Seae, Eduardo Leão, admitiu que essa elevação de preços foi acentuada. Ele explicou que, geralmente, no segundo semestre do ano existe uma tendência de alta principalmente nos produtos agrícolas, por causa da entressafra.Segundo Leão, não há perspectiva de sustentação de aumento de preços. A explicação é que a oferta de carne bovina no mercado - um dos componentes que puxam para cima os preços dos outros produtos - deve aumentar no próximo mês. Além disso, a oferta dos demais produtos agrícolas deverá, a partir dos dois próximos meses, ser maior por conta da entrada da nova safra e, conseqüentemente, poderá haver recuo nos preços. A alta registrada entre julho e agosto, disse Leão, já foi absorvida pelos índices de preços medidos pelos institutos de pesquisa.

Agencia Estado,

28 de agosto de 2000 | 18h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.