Cesta básica subiu nas capitais em julho

O custo dos gêneros de primeira necessidade apresentou alta em doze das dezesseis capitais brasileiras no mês passado, segundo levantamento mensal feito pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese). As elevações mais significativas ocorreram em Curitiba, Belo Horizonte e Florianópolis. Apenas em três capitais o preço da cesta recuou. E em sete cidades o valor total supera R$ 100,00.O comportamento dos preços foi bastante diferenciado nos dezesseis cidades, mas alguns produtos cresceram em grande parte delas. É o caso da carne, com aumento em catorze, do feijão e do açúcar, que subiram em treze, o leite em doze capitais e a manteiga em onze. As valorizações se deveram sobretudo à entressafra, à seca e à geada. Poucos produtos tiveram queda em número expressivo de cidades: óleo de soja, com queda em nove e o tomate, com redução em oito.Com base no custo da cesta mais cara, a de São Paulo, R$ 111,43, o Dieese estima que o valor do salário mínimo necessário para manter um trabalhador e sua família em julho seria de R$ 936,12, ou seja, 6,2 vezes o piso vigente, de R$ 151,00. CapitalValor da cestaVariação do mêsSão PauloR$ 111,431,82%Porto AlegreR$ 105,573,57%BrasíliaR$ 105,420,03%CuritibaR$ 105,307,98%Belo HorizonteR$ 104,614,81%Rio de JaneiroR$ 101,413,77%FlorianópolisR$ 100,584,36BelémR$ 97,642,04%RecifeR$ 91,521,15%AracajuR$ 91,461,44%VitóriaR$ 89,57-1,23%GoiâniaR$ 87,322,62%João PessoaR$ 86,092,09%NatalR$ 82,55-2,57%SalvadorR$ 80,31-0,06%FortalezaR$ 80,02-0,39%

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.