Chanceler brasileiro defende aproximação do Mercosul com Aliança do Pacífico

Mauro Vieira diz que é um equívoco apontar rivalidade entre os dois blocos e prioridade brasileira ainda é União Europeia

Murilo Rodrigues Alves e Rodrigo Cavalheiro, ENVIADOS ESPECIAIS A ASSUNÇÃO, O Estado de S. Paulo

20 de dezembro de 2015 | 17h07

O ministro de Relações Exteriores, Mauro Vieira, defendeu neste domingo em Assunção que os países do Mercosul (bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela) se aproximem da Aliança do Pacífico (formado por México, Peru, Colômbia e Chile).

"Precisamos desconstruir o discurso equivocado de rivalidade entre os dois blocos. Estamos unidos, como se sabe, por ampla rede de acordos comerciais, alguns dos quais completarão em breve duas décadas", discursou Vieira na 49.ª Cupula do Mercosul. 

O Brasil tem feito uma série de movimentos no sentido de aproximação com a Aliança do Pacífico. Foram fechados acordos de investimentos com Colômbia, México e Chile. O presidente argentino, Mauricio Macri, também defende esse movimento, ao qual a Venezuela se opõe. 

O chanceler brasileiro disse que a prioridade do Brasil continuam sendo as negociações do Mercosul com a União Europeia, que foram retomadas em 2010. Quatro anos depois, a oferta de bens, compras governamentais, serviços e investimentos do Mercosul em todas as áreas foi aprovada, mas continua emperrada. "Esperamos que a União Europeia obtenha o consenso interno necessário que nos permita efetuar a troca de ofertas rapidamente", afirmou Viera. 

Segundo ele, apesar da importância das negociações com a União Europeia, é preciso diversificar os interesses do Mercosul com outros parceiros comerciais, como Canadá, a Índia, o Líbano e a Tunísia, entre outros, como também a União Aduaneira da África Austral e a Associação Europeia de Livre Comércio.  Vieira disse confiar que, durante a presidência temporária do Uruguai (atualmente, está o Paraguai), a agenda externa do Mercosul pode, com a ajuda de todos os países membros, ficar "ainda mais ambiciosa".

Mais conteúdo sobre:
MercosulAliança do Pacífico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.